Rádio Observador

Bill Gates

Bill Gates acredita que criptomoedas “causaram mortes de maneira bastante directa”

O fundador da Microsoft está preocupado com o aumento de popularidade das criptomoedas e revelou um caso em que Steve Wozniak, co-fundador da Apple, já foi alvo de fraude.

Getty Images

Bill Gates considera que criptomoedas, como a bitcoin ou a ethereum, “causaram mortes de forma bastante directa”. Num AMA (“Ask Me Anything”) no canal Reddit, o fundador e antigo presidente executivo da Microsoft disse que o anonimato oferecido pelas moedas virtuais, a sua “principal característica”, não é uma “coisa boa”.

A principal característica das criptomoedas é o seu anonimato. Eu não creio que isto seja uma coisa boa. A habilidade do governo em descobrir lavagem de dinheiro, fuga ao fisco e financiamento de terrorismo é uma coisa boa.”, disse o magnata.

As criptomoedas, afirma, são usadas “para comprar fentanil [um opiáceo] e outras drogas”, o que a torna “uma tecnologia rara que causou que causou mortes de maneira bastante directa”. O co-presidente da Fundação Bill & Melinda Gates deu a entender ainda que investir em criptomoedas não é boa ideia, dizendo que a “onda especulativa em torno das ICO [Initial Coin Offerings] e das criptomoedas é bastante arriscada”.

Um exemplo daquilo que pode correr mal com criptomoedas é Steve Wozniak, co-fundador da Apple. O executivo americano revelou na terça-feira que perdeu sete bitcoins para um burlão, que as comprou online com recurso a um cartão de crédito, que depois foi cancelado. “Foi assim tão fácil”, contou Wozniak numa conferência. “Foi de um cartão de crédito roubado, por isso não é possível recuperá-las.”, explicou. “Na altura em que aconteceu, as bitcoins valiam pouco mais do que 5 mil dólares. Hoje, o seu valor supera os 70 mil.”

No mesmo debate, Bill Gates referiu-se ainda a outras tecnologias sobre as quais ainda só há especulação, tais como o Hyperloop de Elon Musk, sobre a qual demonstrou incertezas. Quando questionado sobre se a sua Fundação estava a discutir questões relacionadas com o transporte, Gates disse achar que “carros eléctricos e veículos autónomos serão grandes coisas”, revelou que a sua fundação está a testar “a entrega de bens médicos com um bolseiro no Ruanda e na Tanzânia” e, por fim, disse não ter a certeza “se o conceito do Hyperloop faz sentido”. “Torná-lo seguro é difícil”, afirmou.

Apesar das críticas às criptomoedas e ao projeto da The Boring Company, pertencente ao dono da Tesla e da SpaceX, Bill Gates mostrou-se positivo em relação à automatização, a qual diz “impulsionar a produtividade desde a revolução industrial”, e afirmou que a tecnologia pela qual mais tem expectativas é a de Processamento Natural de Linguagem, isto é, a compreensão de linguagem de forma natural (ou como os humanos) por parte de máquinas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)