477kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

É impossível ensinar informática sem um computador? Um professor do Gana prova que não

Este artigo tem mais de 4 anos

Um professor de informática numa escola no Gana não tem computador para ensinar os alunos. Como alternativa, decidiu começar a desenhar uma página de Microsoft Word no quadro de ardósia. E funciona.

Uma página de Word escrita num quadro de ardósia
i

Uma página de Word escrita num quadro de ardósia

Uma página de Word escrita num quadro de ardósia

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Na escola de Kumasi, no Gana, não há computadores. Não que isto seja invulgar — na maioria das escolas, os alunos não têm acesso a qualquer computador. A parte importante desta história não tem necessariamente a ver com a escola, com os computadores e nem sequer com os alunos: tem a ver com um professor. 

Owura Kwadwo tem 33 anos e ensina Tecnologias de Informação e Comunicação nesta escola de Kumasi. Mas como é que se ensina informática sem computadores? Este professor encontrou a resposta. Para que os alunos não ficassem prejudicados – já que têm de passar num exame de informática para aceder ao ensino secundário – começou a desenhar uma página de Microsoft Word no quadro de ardósia. 

As surpreendentes imagens, que Kwadwo publicou no próprio Facebook, tornaram-se virais depois de um comediante ganês as ter partilhado. No post, o professor escreve: “ensinar informática numa escola do Gana é muito engraçado. Informática no quadro. Eu adoro os meus alunos e tenho de fazer o que os faz entender o que ensino”.

Ao El País, o professor explicou “cada professor tem a sua maneira de apresentar a informação aos seus alunos” e ele, ao desenhar, encontrou a sua própria maneira. Owura Kwadwo aproveitou a formação que tinha em artes visuais para tornar a reprodução do Word o mais real possível. “Pelos menos, os alunos terão uma ideia do que vão ver quando estiverem à frente de um ecrã de um computador”, contou ao jornal espanhol.

A publicação de Kwadwo no Facebook deu origem a uma onda de solidariedade que levou várias pessoas a fazer doações à escola de Kumasi. A começar pela própria Microsoft. Rebecca Enonchong, uma empreendedora na área da tecnologia, divulgou a história através do Twitter e pediu ajuda ao gigante tecnológico. A Microsoft África respondeu prontamente, garantindo que vai enviar um computador a Owura Kwadwo.

Quanto a todos os outros donativos, o professor garante que vão “enviar parte das doações a outras escolas com os mesmos problemas”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.