O Presidente russo, Vladimir Putin, prometeu esta quinta-feira cortar para metade a taxa de pobreza nos próximos seis anos, ou seja, a duração do mandato que deverá garantir nas eleições de 18 de março.

“Devemos resolver uma das tarefas chave da próxima década: garantir o crescimento sustentado dos rendimentos reais dos cidadãos e, em seis anos, reduzir pelo menos para metade a taxa de pobreza”, disse Putin no seu discurso anual no Parlamento, transmitido em direto pela televisão.

O chefe de Estado disse que o número de pessoas na pobreza no país – ou seja, que vivem com menos de 150 euros por mês – passou de 42 milhões em 2000 para cerca de 20 milhões atualmente. A Rússia tem cerca de 146 milhões de habitantes.

No discurso de quinta-feira, perante centenas de responsáveis e deputados, Putin disse que a Rússia tem de dar um salto tecnológico para um futuro desenvolvimento de sucesso.

Considerou imprescindível ampliar o espaço das liberdades e fortalecer as instituições democráticas para garantir o crescimento da Rússia.

“Para ir em frente, crescer de forma dinâmica, devemos ampliar o espaço de liberdades, em todas as esferas, fortalecer as instituições democráticas, o autogoverno local, as estruturas da sociedade civil, a justiça”, afirmou Putin. O líder do Kremlin acrescentou que a Rússia deve ser “um país aberto ao mundo, a novas ideias e iniciativas”.

Putin, cuja taxa de aprovação é superior a 80%, deverá vencer sem dificuldade as eleições presidenciais de 18 de março, às quais concorrem sete outros candidatos.