Forças Armadas

Novo Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas promete redução dos seus efetivos

O novo Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas prometeu reduzir os seus próprios efetivos porque "quem precisa de efetivos são os ramos". António Silva Ribeiro substituiu Artur Pina Monteiro.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O novo Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) prometeu esta sexta-feira reduzir os efetivos do próprio Estado-Maior General “porque quem precisa muito de efetivos são os ramos”, referindo-se ao Exército, Marinha e Força Aérea.

O almirante António Silva Ribeiro, 60 anos, e antigo Chefe do Estado-Maior da Armada que substituiu o general Artur Pina Monteiro no cargo, comprometeu-se a “reestruturar o EMGFA, concentrando valências, reduzindo efetivos e focalizando as áreas de esforço no essencial”, no discurso da cerimónia de boas-vindas às funções no Forte do Bom Sucesso, onde funciona o Museu do Combatente, junto à Torre de Belém, Lisboa.

“Já há muito tempo que faço reflexões sobre essa matéria. Agora, há um propósito. Para a estrutura de Forças Armadas (FA) que temos, julgo que o EMGFA necessita ser reestruturado, redimensionado, porque quem precisa muito de efetivos são os ramos”, disse, em declarações aos jornalistas.

O novo responsável mostrou-se “convicto de que com a colaboração dos chefes dos ramos, dos oficiais generais e dos oficiais do EMGFA” é possível “definir uma estrutura que continue a cumprir as missões, mas com menos efetivos”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)