Rio Tejo

Governo alivia restrição às descargas da Celtejo, mas prolonga prazo por mais um mês

Restrição às descargas da Celtejo no Tejo foi reduzida de 50% para 30% face aos valores da licença da empresa de Vila Velha de Ródão. Limite mantém-se por mais um mês e pode agravar-se se água piorar.

António José/LUSA

A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) prolongou por mais um mês as restrições às descargas da empresa de celulose Celtejo no rio Tejo, mas aliviou o nível de restrição que baixou de 50% para 30%.

Em comunicado, o Ministério do Ambiente sublinha que a limitação pode voltar aos 50%, impostos no final de fevereiro, na sequência do episódio de poluição no rio Tejo de janeiro, se se registar um agravamento da qualidade da água do rio.

Esta decisão é justificada com a “melhoria das condições de laboração da ETARI (Estação de Tratamento de Águas Residuais Industriais)” da empresa de celulose. Durante o próximo mês, a limitação do caudal passa a ser de menos 30% face ao valor inscrito na licença inicial da empresa de Vila Velha de Ródão cujas condições estão a ser revistas.

A restrição ao nível de carga orgânica despejado no rio obriga também a uma “redução da concentração do parâmetro CBO5 (carência bioquímica de oxigénio), que passa a ser de 1,6 kg por tonelada de pasta de papel produzida (kg/tSA)”. Foi o incumprimento deste parâmetro inicialmente estabelecido na licença da Celtejo em 2014 que levou a APA a rever em alta este critério em 2016, permitindo à Celtejo mais descargas até estar operacional a nova estação de tratamento

A licença que está em revisão permitia à empresa descarregar 2,5 kg/tSA, situações que foi travada após o “incidente” de 24 de janeiro com espuma e lama no rio Tejo na zona de Abrantes. As análises realizadas à agua detectaram um nível excessivo de concentração de resíduos orgânicos gerados pela indústria. da celulose. A Celtejo foi apontada como a principal responsável por estas descargas, ainda que estas tenham sido efetuadas dentro do quadro legal, que entretanto está a ser reavaliado em função da seca que fez baixar o caudal do rio.

A empresa estava autorizada a rejeitar 15 mil metros cúbicos de efluentes por da, tendo passado a emitir 7.500 metros cúbicos por dia, na sequência das restrições impostas em fevereiro.

Segundo a APA, no último mês a concentração de oxigénio na água não baixa dos 7 mg/litro, um indicador que segundo o Ministério do Ambiente aponta para uma “boa qualidade da água”, considerando que o limite mínimo de qualidade é de 5 mg por litro. Se o valor de oxigénio descer abaixo dos 6 mg por litro, a Celtejo voltará a ver restringidas as suas emissões para o rio em 50%

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

António Costa enganou-se

Bruno Bobone

Em nome de preconceitos ideológicos está a pôr-se em causa a qualidade e sustentabilidade do SNS, pois todos os hospitais PPP oferecem um serviço de qualidade, conforme comprovou o próprio Ministério.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)