Arqueologia

Já havia tatuagens no Antigo Egipto (e duas múmias com 5.000 anos provam-no)

As tatuagens em África apareceram mil anos antes do que se pensava, explicou à BBC um dos arqueólogos responsáveis pela descoberta: um touro e um carneiro tatuados num braço

British Museum

Ötzi foi descoberta em 1991. Terá vivido entre 3370 a.C. e 3100 a.C. nos Alpes, na fronteira entre a Áustria e a Itália. E era a múmia mais antiga descoberta até hoje com tatuagens (traços horizontais e verticais) gravadas na pele. Era.

O Journal of Archaeological Science publica agora uma descoberta que vem alterar tudo o que os arqueólogos pensavam saber sobre tatuagens em múmias — nomeadamente as do Antigo Egipto.

Duas múmias (um homem e uma mulher) descobertas há perto de cem anos e que viveram entre 3351 a.C. e 3017 a.C. precisamente no Antigo Egipto tinham, e isso sabia-se há muito, marcas nos braços. O que se desconhecia é que tais marcas eram tatuagens, não apenas traços como os de Ötzi mas representações, por exemplo, de animais. Foi com recurso à tecnologia de raios infravermelhos que os arqueólogos encontraram as ilustrações figurativas.

No braço do homem (que terá sido morto por esfaqueamento quando tinha entre 18 e 21 anos) estão dois animais sobrepostos, possivelmente um touro selvagem e um carneiro. Já no braço da mulher, junto ao ombro, há pequenos motivos em forma de “S”, assim como um desenho que aparenta ser um bastão utilizado em rituais de dança.

Créditos: British Museum

O pigmento utilizado nas tatuagens terá sido fuligem e os arqueólogos acreditam que as ilustrações indicariam um determinado status dentro da comunidade, sendo as tatuagens em causa referências à coragem ou a um certo conhecimento mágico.

Daniel Antoine, curador de Antropologia Física do Museu Britânico (onde estão as duas múmias) e um dos autores do artigo publicado no Journal of Archaeological Science, acredita que a descoberta “transformou” a ideia que os arqueólogos tinham de como os egípcios daquela época viviam. “Apenas agora estamos a ter maior clareza sobre como era a vida desses indivíduos notavelmente preservados. Com mais de cinco mil anos de existência, eles demonstram que as tatuagens em África apareceram mil anos antes do que as evidências mais recentes sugeriam”, explicou Antoine à BBC.

As duas múmias foram encontradas em Gebelein, no sul do Egipto, a poucos quilómetros da cidade de Luxor. As covas em que estavam sepultas não eram profundas, mas devido ao calor, à salinidade e à aridez do deserto, ambas (e as respetivas tatuagens) se mantiveram bem conservadas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: tpalma@observador.pt
Mar

Duas doses de espinhas para levar

Miguel Herédia

Num horizonte já não muito distante, é possível que as espinhas venham a ter mais valor do que o peixe que comemos, sobretudo por via das indústrias farmacêutica e nutracêutica.

Empresas

Gerir sem KPIs

José Miguel Pinto dos Santos

O que faz um grande gestor? Não é, certamente, o controlo dos KPIs. Então qual a essência da boa gestão? Em vez de uma definição, fica aqui um exemplo retirado de numa antiga crónica japonesa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)