Rádio Observador

Salão de Genebra

Atenção Tesla, vem aí o Rimac C_Two com 1.888 cv

251

Depois de ameaçar com o Concept_One, a Rimac prepara-se para partir a loiça com o C_Two. Promete 1.888 cv, 415 km/h e garante que faz 0 a 97 km/h nuns vertiginosos 1,85 segundos. Alô, Tesla Roadster…

A Tesla é um pequeno fabricante de automóveis eléctricos, que faz a vida negra aos grandes, especialmente porque estes apenas agora se começaram a dedicar a produzir automóveis alimentados por baterias. As poucas mais de 100.000 unidades produzidas em 2017 tornam a marca de Elon Musk num construtor de nicho de mercado, mas se a Tesla é pequena, então o que dizer da Rimac Automobili, um fabricante croata cuja aventura foi iniciada há 10 anos pelo seu fundador, Mate Rimac, na garagem lá de casa. Porém, nada disto interessa, pois a realidade é esta: estes dois fabricantes são de longe os melhores no que toca a produzir carros eléctricos de elevadas prestações.

Quando Mate Rimac decidiu estropiar o seu velho BMW E30 de 1984 e transformá-lo num carro eléctrico – isto depois de o motor ter explodido numa prova de drift –, dificilmente imaginaria que, passada uma década, era um dos que dava cartas nos eléctricos superdesportivos. O seu primeiro modelo original foi o Concept_One, um superdesportivo de dois lugares, baixo e largo, com 1.850 kg e 1.288 cv, que era capaz de ir de 0 a 100 km/h em somente 2,8 segundos (e 0-60 milhas por hora em 2,5 segundos). E atingir 355 km/h. Era tanta a rapidez deste modelo, que começou a produzir em 2014 que, entre outros, deu um bigode no arranque ao Bugatti Veyron.

Agora em Genebra, a Rimac decidiu dar mais um passo em frente e apresentou o C_Two, um supercarro ainda mais elegante, igualmente desportivo e substancialmente mais possante. Os motores eléctricos, distribuídos pelos dois eixos fornecem um total de 1.888 cv, que alimenta através de um pack de baterias com uma capacidade de 120 kWh, o que lhe permite uma autonomia de 650 km (NEDC). Está claro que, se em vez de uma condução poupada, optar por explorar por extrair o máximo que o Rimac C_Two tem para dar, é coisa para ficar parado muiiiito antes disso.

O novo veículo de Mate Rimac possui quatro motores – um por cada roda –, cada um deles associado a um caixa redutora, com as da frente a possuírem uma só velocidade, ou desmultiplicação, enquanto as traseiras exibem duas. É assim que os 1.888 cv e, mais importante do que isso, os 2.300 Nm, são distribuídos pelas quatro rodas.

Com 1,85 segundos de 0-100 km/h, o Rimac C_Two fica muito próximo dos 1,8 do Tesla Roadster, mas os seus 415 km/h parecem ultrapassar os “mais de 400 km/h” anunciados pelo carro americano. Do C_Two apenas vão ser fabricadas 150 unidades, com a Rimac a informar que o modelo estará disponível com condução autónoma e equipado com oito câmaras, 12 sensores ultrassónicos, seis radares e dois LiDAR. Preço e data de lançamento é que ainda não sabemos. Veja a apresentação aqui:

Rimac unveiling the all-new C_Two live at the 88th Geneva Motor Show

Posted by Rimac Automobili on Tuesday, March 6, 2018

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)