Rádio Observador

Supercarros

Zenvo TSR-S tem 1194 cv e faz 2,8s de 0-100 km/h

Depois do ST1, eis o segundo carro da Zenvo. O TSR-S é mais potente, mais sofisticado e nasceu para fazer a vida negra às “feras” da Ferrari, Lamborghini e McLaren. E custa acima de 1 milhão de euros.

Quando Jesper Jensen, o homem da ‘massa’, e o seu amigo Troels Vollertsen, o engenheiro, decidiram juntar-se para criar a Zenvo, delinearam desde logo uma estratégia que aprenderam com a Bugatti e construtores do género: a exclusividade é boa e paga-se caro. Vai daí, se a Bugatti produz 250 carros por ano e cobra 2,7 milhões por cada um deles, Jesper e Troels decidiram que, se produzissem apenas cinco carros por ano com mais de 1.000 cv, por ligeiramente mais do que 1 milhão de euros, não faltariam clientes. E estavam certos.

Depois de produzir 15 unidades do ST1 desde 2009, a dinamarquesa Zenvo evoluiu para o TSR – sensivelmente com a mesma estética e o mesmo chassi em fibra de carbono, mas actualizado em mecânica e em tudo o resto – , de que fabricou várias versões. O TSR GT, virado para uma utilização em estrada; o TSR, que é essencialmente um carro de pista; e o novo TSR-S, agora apresentado em Genebra, que se assume como o TSR de corridas, mas homologado para circular em estrada.

O motor do Zenvo TSR-S continua a ser um 5.8 V8 soprado por dois turbocompressores, capaz de fornecer 1.194 cv às 8.500 rpm. Está acoplado a uma caixa de velocidades derivada de competição, com patilhas junto ao volante, com sete velocidades e extremamente rápida. A potência, por um lado, e as características da caixa, por outro, são responsáveis pela extrema rapidez do Zenvo, que passa pelos 100 km/h ao fim de apenas 2,8 segundos – a Ferrari e os outros rapazes que se cuidem –, para depois repetir a proeza com os 200 km/h somente 6,8 segundos depois do arranque. A velocidade máxima? Apenas 325 km/h, e isto porque o TSR-S não está virado para a velocidade em recta, mas sim para a eficácia em curva.

O chassi é rígido e leve, ou não fosse integralmente construído em carbono, as suspensões são herdadas dos carros de competição, pelo que estamos igualmente conversados em matéria de eficácia. Mas o TSR-S tem mais um trunfo na manga: a enorme asa traseira. Além de grande, este apêndice aerodinâmico é activo, ou seja, fica paralelo ao solo para maximizar a aerodinâmica do modelo em recta, para depois se inclinar quando é necessário colar a traseira ao asfalto em curva, permitindo explorar a totalidade da potência do V8 biturbo. E nas travagens, para evitar que as rodas posteriores bloqueiem, mas ainda assim possam suportar uma considerável força de travagem, a asa fica quase vertical, dando o máximo apoio e servindo de travão aerodinâmico.

Para não assustar os clientes – ou para facilitar as manobras de estacionamento, decida você – o Zenvo TSR-S tem vários modos de condução. No mais calmo, denominado Minimum para não haver confusão, o V8 fecha a porta do estábulo e deixa passar apenas 710 cv, o suficiente para ir às compras, isto se descobrir um local para depois as guardar a bordo. No modo de condução Maximum (só podia, pois a criatividade dos dinamarqueses para os nomes deixa algo a desejar) é o salve-se quem puder, pois passa a existir 1.194 cv debaixo do acelerador. Entre os dois extremos, surge o modo IQ, que basicamente é o modo inteligente, em que estão lá as quase 12 centenas de cavalos, mas com toda a electrónica a postos, para evitar sustos. E mossas.

Preço ainda não há, mas se preparar 1,5 milhões de euros (mais impostos, é claro), pode ser que ainda lhe toque algum dos cinco que a Zenvo vai produzir por ano.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)