Rádio Observador

CDS-PP

Mesquita Nunes: “Função do CDS é ser a alternativa ao socialismo”

306

Adolfo Mesquita Nunes, que vai coordenar o programa eleitoral do CDS, acredita num resultado "histórico" do partido nas Legislativas. E assume que quer ser alternativa ao socialismo.

JOÃO RELVAS/LUSA

Adolfo Mesquita Nunes sabe qual é o lugar do CDS: a caminho de um resultado “histórico” nas próximas eleições legislativas. Essa é pelo menos a convicção do político de 40 anos que este fim de semana participa no 27º congresso do partido em Lamego e que Cristas escolheu para coordenar o programa eleitoral dos centristas. Em entrevista ao Público e à Rádio Renascença, Mesquita Nunes considera que ainda é cedo para fazer uma apreciação, mas reforça que o CDS quer “preencher o espaço do centro e da direita” na política nacional.

Nós queremos ser a alternativa ao socialismo. E não temos ilusões relativamente ao PS: o PS aliou-se a comunistas e a trotskistas por vontade própria. Ninguém o obrigou.”

Um plano que não se sente estar em risco apesar da possibilidade de o PSD, com Rui Rio, apoiar um governo socialista se vender em minoria nas eleições de 2019.”Hoje é para mim evidente que o eleitorado europeu e o português é mais livre, menos encapsulável no voto tradicional. Isso traz oportunidades a todos os partidos, nomeadamente ao CDS que tem sido sempre vítima do voto útil.”

Por isso, e alinhado com a líder do partido, Assunção Cristas, reafirma a missão centrista de impedir “que o país seja governado por uma maioria que não reforma, não prepara, nem protege o país para o que vem aí, é preciso garantir uma alternativa ao socialismo. E para isso precisamos de 116 deputados.” Uma posição que, insiste, impossibilita qualquer cenário de parceria ou coligação do CDS com o PS.

Esta ambição do CDS é mais válida do que nunca. Do meu ponto de vista, a função do CDS é ser alternativa ao PS, não é casar-se com o PS.”

E quanto tempo é preciso para o CDS vir a liderar um governo? Mesquita Nunes ironiza: “Durante 40 anos, achei que nunca iria ver Portugal ganhar o Festival da Eurovisão. Depois de ter visto Portugal ganhar a Eurovisão, estou preparado para tudo.”

Na mesma entrevista, Adolfo Mesquita Nunes, faz ainda uma avaliação da economia e do estado social, lembrando que “10 a 40% dos empregos que hoje existem vão deixar de existir”. Daí que considere essencial “atualizar o modelo social face à nova economia”.

 O CDS tem de ser o partido mais bem apetrechado para governar Portugal nos tempos em que estas mudanças estão a ocorrer. Para os sectores mais dinâmicos e preparados para enfrentar mudança, é apostar na iniciativa privada, em regulação inteligente, em criar condições de competitividade. Mas não nos podemos esquecer dos sectores que não estão preparados para a mudança, ou que, num tempo curto, não vão conseguir fazê-lo.”

Por isso, adianta que quer fazer um programa eleitoral que responda às questões do futuro, ainda que reconheça que há partes da sociedade que não conseguem adaptar-se à globalização sem apoio e não podem ficar de fora.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)