Rádio Observador

PSD

Montenegro ataca Rio na reunião de bancada: “Costa vai andar a gozar connosco”

878

Rui Rio enfrentou muitas críticas uma reunião muito tensa, mas desvalorizou as críticas: "Não notei a convulsãozita". Diz ainda ter um "feeling" que há uma parte do PS que quer dialogar com o PSD.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Rui Rio esperava um “convulsãozita”, mas foi fortemente atacado por vários deputados na primeira vez que foi como líder a uma reunião da bancada social-democrata. O antigo líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, fez uma intervenção muito crítica para o presidente do PSD: “Com a estratégia que o dr. Rui Rio aqui enunciou o dr. António Costa vai andar a gozar connosco.” A ele juntaram-se vários outros deputados como o antigo vice-presidente da bancada, Carlos Abreu Amorim, que exigiu ao líder um pedido de desculpas. À saída da reunião, Rui Rio desvalorizou as críticas, dizendo que não notou a convulsão na bancada e enalteceu as “intervenções construtivas”. O presidente do PSD disse que aconteceu o que estava à espera: “Uma realidade dentro da sala, outra difundida fora dela“, descreveu aos jornalistas.

Rui Rio disse ainda que, em 89 deputados “cada um diz aquilo que sente“, e que não vê forma de a reunião ter “corrido melhor”. E acrescentou: “Há líderes que se calhar gostam que se levantem todos a aplaudir. Esse não é o meu estilo e não estou a ver aqui nenhuma dificuldade especial“.

À porta fechada, o presidente do PSD tinha dito — na primeira intervenção — que “as eleições não se ganham, perdem-se“, apontando como primeira estratégia fragilizar o Governo socialista. Já na última intervenção, em que os aplausos se ouviram no exterior da sala, Rui Rio teve de defender-se das várias críticas. Desde logo, segundo relatos de vários deputados ao Observador, o presidente do PSD começou por dizer: “Uma das especialidades que tenho é lidar com isto [a conflitualidade]. E não estou a ser irónico (…) Tenho uma especialização”.

Rio tem um “feeling” que há um PS bom, que quer dialogar

Rio também tinha ouvido diversas críticas sobre a aproximação ao PS e dedicou parte da intervenção final a defender-se. O presidente do PSD — segundo relatos de vários deputados do PSD ao Observador — disse ter um “feeling” e acredita que “há uma parte substancial do PS que deseja um diálogo construtivo“. Para Rio, compete ao PSD “puxar pelo PS“, o que pode ser vantajoso se o partido tiver “a habilidade” de ter a “opinião pública” do seu lado.

Rui Rio disse ainda esse diálogo não se reduz ao PS, mas inclui também outros partidos como o CDS. “Pelo menos esses dois“, afirmou, acrescentando que também se podem discutir com o PCP questões relativas, por exemplo, às autarquias.

Dentro da sala, o presidente do PSD disse ainda não simpatizar com a “judicialização da política“. Fora da sala, desvalorizou as críticas que ouviu dos deputados à escolha de Elina Fraga como vice-presidente do PSD, dizendo que o assunto está “pacificado” e ouviu só críticas “nas entrelinhas“.

Críticas duras ao presidente

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro — que, nas palavras de outros deputados ouvidos pelo Observador, deu uma “lição de política” e uma “tareia” a Rui Rio — não foi o único a atacar o líder do partido na reunião que decorreu na manhã desta quinta-feira na sala do Senado, no Parlamento, à porta fechada. À saída, Rui Rio não quis comentar as palavras de Luís Montenegro, dizendo que em “tantas intervenções” não quer estar a comentar “uma a uma.”

Também o antigo vice-presidente da bancada parlamentar, Carlos Abreu Amorim, exigiu a Rio que — tal como Fernando Negrão fez na reunião anterior — pedisse desculpas pelos excessos nas declarações críticas aos deputados. E foi igualmente duro nas palavras: “O dr. Negrão enobreceu-se e ganhou o Grupo Parlamentar ao pedir aqui desculpas há uma semana. Desafio-o a fazer o mesmo, a ter o mesmo gesto de grandeza para ser possível ultrapassarmos esta fase”, afirmou o deputado segundo os relatos que o Observador já teve.

Teresa Morais, antiga vice-presidente de Passos Coelho e outra das vozes críticas da nova liderança, também foi dura com Rui Rio, dizendo que o presidente do PSD diz que é “frontal, mas não é o único que é frontal”. Disse ainda que não gostou de “saber pela comunicação social das mudanças no partido.” Teresa Morais voltou, ainda, frente a frente com o líder, a criticar a escolha da ex-bastonária da Ordem dos Advogados, Elina Fraga, como vice-presidente do PSD.

Deputados como José Silvano, Fátima Ramos e Nilza de Sena fizeram intervenções em que defenderam o apoio ao líder. Mas as críticas continuaram ao longo reunião, com figuras que têm sido de primeira linha da bancada nos últimos anos. O ex-líder parlamentar, Hugo Soares, mostrou-se incomodado com a forma como tem decorrido a relação da nova liderança com a bancada e disse mesmo que o processo eleitoral da escolha da nova liderança do grupo “não foi bonito”. O ex-vice-presidente da bancada parlamentar, Miguel Morgado, também deu exemplos concretos de como o PS só faz consensos quando a isso é forçado.

Desde que o partido está na oposição, as vozes na réplica ao Governo nas várias áreas têm sido os deputados. Ou os vice-presidentes ou os coordenadores do grupo parlamentar na respetiva área. Agora, com a nova arquitetura pensada pela direção, perdem peso. Questionado pelos jornalistas na quarta-feira à noite sobre se o clima já está mais apaziguado com o grupo parlamentar, Rio antecipava que, no máximo, poderia exisitir “uma convulsãozita“, um “epifenómeno de 4 ou 5” deputados. E acrescentava: “Se não tiver 89 hei-de ter 80 e tal deputados para cumprirem a sua missão como deputados da oposição, que é apontar o que está mal, apontar as fragilidades do Governo.”

Já esta quinta-feira, no final do encontro com os deputados, Rui Rio classificou esta como uma “reunião normal”. Questionado, uma vez mais, sobre a tensão na bancada, o presidente do PSD voltou a desvalorizar as críticas, enquanto sorria: “Há três ou quatro deputados [mais críticos] que vão demorar mais uns 15 dias a estar alinhados.”

Rio disse que irá mais vezes a reuniões da bancada, mas diz que a “estreita relação” com o Grupo Parlamentar vai ser feita “diariamente”. Quando chegou perto dos jornalistas, no fim da reunião, atirou com uma graça quando viu as câmaras e os microfones todos apontados para si: “Deve ter acontecido alguma coisa importante.” Aconteceu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)