PCP

PCP apela à luta das mulheres pela emancipação sem “guerra de sexos”

Jerónimo de Sousa apelou esta quinta-feira à luta das mulheres pela emancipação mas sem uma "guerra de sexos". O líder do PCP destacou a importância da igualdade salarial entre homens e mulheres.

TIAGO PETINGA/LUSA

O líder comunista apelou esta quinta-feira à luta das mulheres pelos seus direitos e emancipação sem embarcarem numa ‘guerra de sexos’, num almoço comemorativo do Dia Internacional da Mulher, com trabalhadores da Câmara Municipal da Moita, Setúbal.

Jerónimo de Sousa defendeu o “direito à igualdade da mulher no trabalho, na vida, na profissão, na sociedade, na política” e recordou os seus tempos de sindicalista quando havia uma norma no contrato coletivo de trabalho sob a qual as mulheres receberiam sempre menos 10% que os homens, independentemente de fazer trabalho igual ou superior, “felizmente revogada”.

Para o secretário-geral do PCP há uma “tentativa de identificação das mulheres num grupo social homogéneo em oposição a outro grupo social, o dos homens, em que a cultura masculina é erigida a causa e responsável pelas injustiças e desigualdades”, num conjunto de “teses” que visam limitar, e mesmo impedir, que milhares de mulheres ganhem consciência de que o que determina a sua condição social e o seu estatuto (…) é a classe social a que pertencem”.

“Independentemente da conceção de que a emancipação da mulher é obra da própria mulher, é importante que estejamos juntos – homens e mulheres. Não há aqui uma guerra de sexos, não é isso que é marcante e determinante. O determinante são as relações sociais em que de um lado existem exploradores e do outro mulheres exploradas”, afirmou.

Jerónimo de Sousa lamentou a atual situação em Portugal que, “resultante da precariedade e da desregulação dos horários, continua a infernizar a vida de muitas mulheres trabalhadoras”.

“O que alguns propõem, com grande alarido, é incentivar a luta das mulheres não para que a eliminação das causas das desigualdades, discriminações e violências tenha êxito, mas para promoverem ‘bodes expiatórios’ que sirvam de amortecedores sociais, perante o crescente protesto e indignação de milhões de mulheres e manter tudo na mesma”, afirmou.

O líder comunista assumiu a necessidade da “igualdade salarial entre mulheres e homens, tendo por base a valorização dos salários de todos os trabalhadores” e a “eliminação da desregulação dos horários de trabalho” e 35 horas [de trabalho semanal] para todos.

“Consideramos que, independentemente de avanços jurídicos, tem de se reconhecer a realidade do país. Apesar de alguns avanços significativos, as mulheres continuam a ser discriminadas, a sofrer, particularmente, na desigualdade de salários e horários de trabalho para organizarem as suas vidas em família, no lazer, no descanso”, declarou.

O PCP tem como “prioridades” a “efetivação dos direitos de maternidade e paternidade, pois “as mulheres têm o direito de ser mães quando decidem sê-lo e o país precisa de crianças”, além “da necessidade de ser planeada e concretizada no país uma rede pública de creches, de qualidade e a preços acessíveis, bem como de apoio aos idosos, às pessoas com deficiência e às mulheres vítimas de violência”, entre outras medidas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Um partido não é uma família

Sandra Clemente
142

PSD, PS, BE, CDS e CDU, em 20 anos, perderam cerca de 850 mil votos, mas não assusta esta crescente insignificância dos partidos existentes, só assusta a possibilidade de novos partidos aparecerem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)