PSD

Rui Rio reúne-se pela primeira vez com deputados do PSD esta quinta-feira

O presidente do PSD desvalorizou alguma "convulsãozita" que possa ainda existir na bancada, considerando que a maioria dos deputados está disponível para colaborar.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente do PSD, Rui Rio, reúne-se esta quinta-feira pela primeira vez com o grupo parlamentar, e já desvalorizou alguma “convulsãozita” que possa ainda existir na bancada considerando que a maioria dos deputados está disponível para colaborar.

Questionado na quarta-feira, no final da reunião da Comissão Política do PSD, se existem agora melhores condições para uma coabitação entre a bancada parlamentar e a nova direção, Rio respondeu que “essas condições sempre existiram”.

Pode haver ali uma convulsãozita, mas não estou a ver em 89 deputados que haja ali uma quantidade enorme de deputados que diz ‘agora não colaboro, agora não exerço a função’. Se isso acontecer, será um epifenómeno, de 2, 3, 4 ou 5… se não tiver 89, hei de ter 80 e tal deputados para cumprir a função para que foram eleitos, ser oposição”, apontou.

O presidente do PSD sublinhou que a obrigação de um deputado da oposição é “apontar aquilo que está mal”, até para que o Governo possa fazer melhor. “Estou a ver os deputados do PSD, todos eles, disponíveis para cumprir a sua função que é apontar as fragilidades do Governo, é isso que se espera em nome do interesse nacional”, disse.

A reunião do líder do partido com o grupo parlamentar acontece duas semanas após a eleição de Fernando Negrão e quase três depois de Rui Rio ter sido confirmado em Congresso. A reunião está marcada para as 11h00 na Sala do Senado da Assembleia da República, como habitualmente, de acordo com a convocatória enviada aos deputados.

Fernando Negrão foi eleito líder parlamentar do PSD a 21 de fevereiro, com menos de 40% dos votos, correspondentes a 35 votos a favor, 32 brancos e 21 nulos. Negrão foi o único candidato à sucessão de Hugo Soares, que convocou eleições antecipadas para a liderança parlamentar depois de o novo presidente do PSD lhe ter transmitido a vontade de trabalhar com outra direção de bancada.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

O regime da irresponsabilidade

Rui Ramos
227

Tal como o PS apagou as suas responsabilidades na bancarrota de 2011, o PSD pretende apagar as suas responsabilidades na saída limpa de 2014. Daí os "acordos" desta semana.

Política

Humilhadas e ofendidas

Alberto Gonçalves
136

O problema põe-se ao contrário: a maioria das senhoras (e dos cavalheiros, calculo) é competente o bastante para evitar a política e deixá-la ao cuidado dos que, independentemente do sexo, não são.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site