Barack Obama

Barack Obama pode vir a ter uma série na Netflix

O The New York Times reporta que o antigo presidente dos Estados Unidos está em conversações com o gigante do "streaming" para produzir conteúdo em exclusivo para a plataforma.

Barack Obama deixou a presidência dos Estados Unidos em 2016.

Alex Wong/Getty Images

Barack Obama está em conversações com a Netflix para a produção de programas para o serviço de “streaming”, escreve o The New York Times. O acordo ainda não é final, mas a Netflix deverá pagar ao antigo presidente dos Estados Unidos e a Michelle Obama, mulher e antiga primeira-dama, para assegurar conteúdo exclusivo do casal na plataforma, que conta com quase 118 milhões de subscritores em todo o mundo.

De acordo com o jornal norte-americano, não é sabido quais serão os formatos dos programas nem a quantidade de episódios. Contudo, citando pessoas que estão familiarizadas com as negociações, o “Times” diz que Obama não pretende usar a plataforma como forma de fazer oposição a Trump ou a críticos conservadores, mas sim ter uma plataforma para contar histórias que o casal considere serem inspiradoras.

O The New York Times sugere que uma das ideias de formatos poderá consistir num debate moderado por Obama sobre assuntos relacionados com a sua presidência e que ainda hoje são relevantes na sociedade norte-americana. Noutro formato, Michelle poderá abordar temas que marcaram o seu trabalho enquanto primeira-dama na Casa Branca. Por fim, o jornal refere que o Obama poderão “patrocinar” programas ou documentários que vão de encontro às suas crenças, valores e ideais.

Os valores envolvidos no possível negócio não são ainda conhecidos. Como referência poderá servir a quantidade de dinheiro que receberam pelas biografias que estão a escrever: 60 milhões de dólares. Além disso, sabe-se que Barack Obama recebeu 400 mil dólares por apenas uma palestra numa conferência sobre o serviço nacional de saúde.

O antigo presidente dos Estados Unidos não é nenhum estranho à Netflix: Obama é bastante próximo de Ted Sarandos, chefe de conteúdo da plataforma, e foi o primeiro convidado da série de entrevistas de David Letterman, comediante e apresentador norte-americano.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflito na Síria

Teria Obama atacado a Síria?

Paulo Trigo Pereira
148

Só se tudo o mais falhasse é que Obama avançaria para o ataque, que aliás ponderou no passado, com todo o apoio possível da comunidade internacional que seria bem mais alargado.

Facebook

O Facebook ajudou Trump? Então já não presta

Rui Ramos
940

O escândalo à volta do Facebook não tem a ver com as redes sociais e o seu poder, mas com o facto de ter ajudado Trump. Enquanto ajudava apenas Obama ou os Trabalhistas ingleses, estava tudo bem. 

Crónica

Uma semana portuguesa, com certeza /premium

Alberto Gonçalves

É impressionante como os socialistas exibem uma ignorância tão vasta em todos os domínios terrestres e, não obstante, conseguem acumular pequenas fortunas pessoais e, para cúmulo, governar tão bem. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)