Carlos Costa

Carlos Costa: “Brexit é como ir da Champions para a distrital”

Carlos Costa considera que o Brexit é como descer da Liga dos Campeões para o campeonato distrital. O governador do Banco de Portugal diz que a saída do Reino Unido da União Europeia é "um erro".

MÁRIO CRUZ/LUSA

O governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, disse esta sexta-feira que a saída do Reino Unido da União Europeia, o chamado ‘Brexit’, é como passar da Liga dos Campeões para o campeonato distrital, tratando-se de “um erro”.

“O que nós temos de saber é se queremos ser relevantes à escala global, onde se joga tudo, ou se queremos ser relevantes à escala local. Utilizando uma imagem mais simples para todos: queremos jogar a ‘Champions’ [Liga dos Campeões] ou queremos jogar o campeonato distrital”, declarou Carlos Costa, na entrega dos prémios da 7.ª edição do Concurso Geração Eurouro, na sede do BdP, em Lisboa.

Apesar de admitir que “a probabilidade de ser campeão é maior” no campeonato distrital, o responsável vincou que “ser campeão do campeonato distrital só tem interesse para passar à divisão superior e se, através disso, houver acesso à ‘Champions'”.

“Jogar uma ‘Champions’, mesmo que se tenha o esforço e a necessidade de assegurar a continuação na competição, é muito melhor do que tudo”, acrescentou.

Carlos Costa utilizou esta analogia para se referir ao ‘Brexit’: “Aplica-se exatamente no quadro da União Europeia, [já que] ser relevante, ser influente, ser importante no quadro da União Europeia é a única forma de nos afirmarmos e de nos defendermos como portugueses e de protegermos o bem-estar dos portugueses no futuro”.

O governador do BdP vincou que “há sempre a velha ideia de que ‘eu posso ser o mais relevante se eu fechar as minhas fronteiras porque posso não ter ninguém a interferir’, [mas] é um erro”.

“Aliás, como os nossos amigos ingleses hão de descobrir um dia”, sublinhou.

Carlos Costa exemplificou, também, que “ser chefe de uma tribo dá muito poder relativamente aos que fazem parte da tribo, mas não dá nenhuma relevância fora daquele contexto da tribo”.

O responsável falava perante uma plateia de jovens que participaram no Concurso Geração Eurouro, competição entre escolas sobre política monetária organizada pelo Banco Central Europeu (BCE) e pelos bancos centrais nacionais do eurosistema.

A final, disputada esta sexta-feira em Lisboa, foi ganha pela equipa Eurouro-Euroscudo, da Escola Secundária de Mem Martins.

Dirigindo-se aos estudantes, Carlos Costa assinalou que fez parte de uma geração que “não sabia o que era o Erasmus nem fazer formação fora do país, não sabia de uma série de possibilidades que hoje existem”.

“E essas possibilidades existem porque fazemos parte de um espaço integrado. É porque fazemos parte de um espaço integrado que nos confere vantagens em termos de afirmação individual e coletiva que outros também querem fazer parte desse mesmo espaço”, notou.

“O que vai acontecer um dia, no caso inglês, é que as gerações que vêm vão perguntar por que [os então governantes] tomaram estas decisões”, concluiu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)