Madrid

Detido em Madrid chefe de rede de narcotraficantes procurado no Brasil

O chefe de uma rede de narcotráfico internacional foi detido em Madrid. O detido já era alvo de um mandado de prisão internacional emitido pelo Brasil por crimes de tráfico de drogas.

XOAN REY/EPA

A polícia espanhola prendeu em Madrid um cidadão colombiano que liderava uma rede internacional de narcotráfico que enviava grandes remessas de cocaína, a partir do Brasil e da Colômbia, para Espanha e Itália camufladas em blocos de mármore.

O detido, alvo de um mandado de prisão internacional emitido pelo Brasil por crimes de tráfico de drogas, utilizava várias identidades, entre elas a de investidor de arte, que lhe facilitava o contacto com várias personalidades e a construção de uma reputação entre a alta sociedade de Madrid.

Segundo a agência Efe, depois de ter sido apreendida no Brasil uma remessa de 150 quilos de cocaína escondidos num bloco de granito, e conhecedor da pena de prisão de 40 anos que arriscava, o suspeito decidiu mudar o seu centro de operações para a Europa, alternando as suas estadias em vários países, como a Grécia, a Itália, a Alemanha e Espanha.

O detido liderava uma organização internacional de tráfico de drogas, composta por cidadãos colombianos, mexicanos e brasileiros, que exportava cocaína para Espanha e Itália em blocos de mármore, através de empresas de importação e exportação legalmente criadas no Brasil e na Colômbia.

A prisão é o resultado de uma operação da Polícia Nacional espanhola, com a colaboração da Polícia Federal brasileira e da Direção de Inteligência da Polícia da Colômbia, cujos agentes se deslocaram a Espanha por causa da importância da investigação e para localizar e prender o fugitivo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)