Itália

Exposição com obras de Joan Miró do Estado português inaugurada hoje em Itália

163

A exposição "Joan Miró: Materialidade e Metamorfose" vai ser inaugurada em Pádua, na Itália, depois de ter estado patente em Serralves, no Porto, e no Palácio da Ajuda, em Lisboa.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose” vai ser inaugurada esta sexta-feira, às 18h00, na Fondazione Bano, em Pádua, na Itália, depois de ter estado patente em Serralves, no Porto, e no Palácio da Ajuda, em Lisboa.

Em fevereiro, o Ministério da Cultura anunciou que a exposição da Coleção João Miró, propriedade do Estado português, seria apresentada em Itália, na Fondazione Bano, através da itinerância organizada pela Fundação de Serralves.

A exposição, que estará patente no Palácio Zabarella, da Fondazione Bano, é inaugurada numa cerimónia que contará com a presença do ministro português da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, e da presidente da Fundação de Serralves, Ana Pinho.

“Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”, constituída por 85 obras, fica patente até 24 de junho. Organizada por Serralves, é coordenada por Marta Almeida, diretora-adjunta do museu, e comissariada pelo especialista mundial na obra de Miró, o norte-americano Robert Lubar Messeri.

As obras foram mostradas pela primeira vez numa exposição na Casa de Serralves, no Porto, de outubro de 2016 a junho do ano passado, tendo sido vista por 240.048 pessoas. De 8 de setembro de 2017 a 13 de fevereiro deste ano, “Joan Miró — Materialidade e Metamorfose” esteve patente no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, onde recebeu um total de 49.265 pessoas.

A Fondazione Bano, criada em 1997, recebeu já, no Palácio Zabarella, em Pádua, mais de dois milhões de visitantes e organizou exposições de artistas como Caravaggio, Gian Lorenzo Bernini, Anton Raphael Mengs, Picasso, Giorgio de Chirico, Antonio Canova, Modigliani.

A coleção de Joan Miró ficou na posse do Estado Português, após a nacionalização do BPN em 2008. Em março do ano passado, o Governo anunciou que tinha chegado a acordo com a leiloeira Christie’s para revogar o contrato de venda em leilão da coleção Joan Miró, cujo valor a obter deveria servir para abater parte dos créditos do Estado português, no banco.

Em 2016, a Câmara Municipal do Porto anunciou que aquela coleção de arte iria permanecer na Casa de Serralves.

Entre as obras expostas estão seis pinturas da conhecida série sobre masonite de 1936, seis tapeçarias de 1972 e 1973, e uma das telas queimadas, de uma série de cinco, criada para a grande retrospetiva de Miró no Grand Palais de Paris, em 1974.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Crónica

As cidades capturadas /premium

Maria João Avillez
226

Um dia Veneza será afogada pelos turistas, Barcelona fechará as portas, o Monte de São Michel soçobrará, Roma sucumbirá. E Florença talvez já tenha colapsado sem que ainda não se tenha dado por isso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)