Presidente Marcelo

Marcelo pede entendimentos sobre fundos europeus, calamidades e descentralização

No dia em que cumpre dois anos de mandato presidencial, Marcelo Rebelo de Sousa escolheu falar "de futuro" e "dos cinco desafios" que vão marcar "o novo período".

MÁRIO CRUZ/LUSA

O Presidente da República traçou esta sexta-feira como desafio para o próximo ano do seu mandato a obtenção de entendimentos entre partidos e parceiros sociais sobre fundos europeus, correção de desigualdades, prevenção e resposta a calamidades e descentralização.

Numa intervenção a propósito dos seus primeiros dois anos de mandato presidencial, que se cumprem esta sexta-feira, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que a evolução da economia foi “o sucesso mais importante de 2017”, mas insistiu em mais crescimento, pedindo uma “convergência duradoura” com a União Europeia.

“Hoje é também o primeiro dia do terceiro ano do mandato presidencial que os portugueses me conferiram. Falemos, portanto, de futuro e falemos dos cinco desafios que vão, a meu ver, ocupar este novo período”, afirmou, perante a comunicação social, na Sala de Jantar do Palácio de Belém.

De acordo com o chefe de Estado, um dos desafios para o terceiro ano do seu mandato é “a existência de efeitos visíveis na vida das pessoas do diálogo entre o maior número de partidos e parceiros sociais”, em quatro domínios, a começar pela “defesa dos interesses de Portugal no quadro financeiro plurianual e no horizonte 2020-2030 na União Europeia”.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, deve também haver entendimentos sobre “prevenção e resposta a calamidades públicas”, porque “não é uma tarefa só do Governo, nem só da oposição, é de todos”, sobre “correção das desigualdades entre pessoas e comunidades” e sobre “descentralização com reordenamento do território”.

“Noutros domínios, o natural é a existência de diferenças claras entre partidos e entre área da governação e área da oposição”, considerou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Os 3 vazios da direita portuguesa /premium

Miguel Pinheiro

Marcelo está preocupado com a possibilidade de a direita se “fragmentar” e “deixar de ser alternativa”. Mas à direita não há liderança, nem ideias, nem estratégia. A união do vazio vale pouco. Ou nada

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)