O Benfica seria avisado por antecipação de todas as buscas que estavam a ser ponderadas ao clube pela Polícia Judiciária no âmbito dos últimos casos ligados de forma direta ou indireta aos encarnados, nomeadamente o caso dos vouchers, o caso dos emails e a operação Lex. A notícia é avançada pelo jornal Expresso (conteúdo fechado) que adianta que terão sido encontradas no gabinete de Paulo Gonçalves, assessor jurídico das águias, cópias de despachos do juiz de instrução sobre os passos que seriam tomados a nível de investigação no denominado caso dos emails (que nasceu após uma denúncia anónima feita em junho de 2017), nas buscas e inquirições e nos suspeitos.

“O Benfica sabia por antecipação de todas as buscas da PJ ao clube. E fez uma espécie de briefing com os funcionários para saber como atuar. O clube começou a ter acesso ilegal aos processos desde o caso dos vouchers, em 2016, o primeiro que incidiu sobre o clube”, revelou uma fonte judicial citada pelo semanário.

Em paralelo, e confirmando as informações que já tinham sido reveladas anteriormente, os responsáveis encarnados aproveitariam esse “passo à frente” para trabalharem reuniões preparatórias para essas mesmas buscas com a Vieira de Almeida, um dos principais escritórios de advogados que tem estado com o Benfica nestes casos. Conforme o Observador tinha referido durante a semana, e partindo destes dados, a investigação que tem sido levada a cabo pela PJ tentará agora perceber se o Benfica e/ou o seu presidente tinham ou não conhecimento das alegadas práticas que estavam a ser levadas a cabo quer por Paulo Gonçalves, quer pelas “toupeiras” no sistema judicial.

Casos vouchers, emails, Lex e e-toupeira: o que pode acontecer ao Benfica e aos seus dirigentes

Recorde-se que, esta sexta-feira, o Correio da Manhã avançara que José Silva, o único arguido do processo que ficou em prisão preventiva, tinha tido um encontro com Luís Filipe Vieira em janeiro, no estádio da Luz. A informação teve por base uma conversa interceptada pelos inspetores da Unidade de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária durante as escutas telefónica feitas ao funcionário judicial, realizadas em paralelo com ações de vigilância que incluíam também Paulo Gonçalves. Num desses casos, José Silva terá sido fotografado com o assessor jurídico no piso 1 do recinto em dia de jogo, seguindo-se o alegado encontro com o presidente dos encarnados.

Operação e-toupeira. Vieira terá estado com funcionário judicial na Luz, PJ procura mais fugas na zona Centro

O Expresso avança ainda que, nas três primeiras buscas feitas ao estádio da Luz no último ano e meio a propósito dos casos supracitados, o Benfica teria sido avisado, algo que não terá acontecido nas operações da passada terça-feira, quando 50 elementos da Polícia Judiciária, um juiz de instrução criminal e dois magistrados do Ministério Público realizaram 30 buscas nas áreas do Porto, Fafe, Guimarães, Santarém e Lisboa para apreensão de relevantes elementos probatórios. O segredo passou também por não colocar nenhuma informação no Citius sobre as mesmas, evitando qualquer fuga. Já se sabia ainda que, nas buscas que foram levadas a cabo a propósito da operação Lex, a 30 de janeiro deste ano, estava uma outra equipa que operou de forma “camuflada” na Luz.

Bilhetes para jogos e merchandising do Benfica na origem da detenção de Paulo Gonçalves

“A Benfica SAD não recebeu quaisquer informações que estivessem em segredo de justiça relativamente ao caso dos emails, exceto as supostas informações expostas na comunicação social. Além disso, o Benfica já apresentou duas queixas-crime de violação de segredo de justiça e alguns dos elementos que irão ser entregues à senhora procuradora-geral da República”, defendeu o clube, em reação às novidades sobre a operação e-toupeira.

Benfica vai enviar para a PGR documentos internos da PJ que circulam na net desde fevereiro

Em todo este lapso de tempo, José Silva, o arguido a quem a juíza Cláudia Pina aplicou a medida de coação de prisão preventiva após o primeiro interrogatório no Tribunal de Instrução Criminal, terá consultado mais de 500 vezes um total de mais de dez inquéritos, que diziam respeito não só ao Benfica mas também aos rivais diretos, FC Porto e Sporting, nomeadamente em relação às denúncias anónimas feitas contra Pinto da Costa e Bruno de Carvalho. O Expresso avança que, durante vários meses, o funcionário judicial consultava todos os dias o processo dos emails.

Também este sábado, o Jornal de Notícias (conteúdo fechado) avança que José Silva terá mesmo adulterado um dos documentos relacionados com um dos mais de dez inquéritos que foi monitorizando ao longo de vários meses. A situação foi detetada numa auditoria do Instituto de Gestão Financeira e Equipamento da Justiça e constituiu um dos principais factores que levou a juíza Cláudia Pina a aplicar a pena de prisão preventiva para o arguido.

Password usada para aceder aos processos do Benfica é de assessora de Maria José Morgado

Após essa pesquisa, o técnico de informática do Instituto de Gestão Financeira e Equipamento da Justiça passaria depois a informação a Paulo Gonçalves em termos físicos, com os prints dessas peças. Recorde-se que, além das duas principais figuras desta operação e-toupeira que ficaram detidas até ao primeiro interrogatório no TIC, há, para já, mais três arguidos neste processo: Júlio Loureiro, funcionário judicial no tribunal de Fafe que passaria a informação recolhida a José Silva; José Ribeiro, antigo funcionário judicial que é cunhado de José Silva e também passaria informação; e Óscar Cruz, empresário de futebol e amigo de longa data de Gonçalves que serviria de intermediário.

As ligações entre Paulo Gonçalves e Júlio Loureiro que os emails tinham revelado (e a nota do árbitro Marco Ferreira)

Conforme o Observador avançou na passada terça-feira, a investigação não ficará por aqui e outros funcionários judiciais deverão ser constituídos arguidos em breve. O Jornal de Notícias noticiou esta sexta-feira que, de acordo com uma auditoria do Instituto de Gestão e Equipamentos da Justiça, confirmou-se que havia mais consultas ao denominado processo dos emails através do Citius, feitas em tribunais no Centro do país entre Aveiro e Santarém.

Como a rede de toupeiras do Benfica foi descoberta pela Polícia Judiciária