Ensino Superior

Academia de Coimbra acusa Governo de “assalto” com “propina camuflada”

A Associação Académica de Coimbra acusou esta segunda-feira o Governo de assaltar as contas dos estudantes e das famílias com “uma propina camuflada” que atinge as “dezenas de milhões de euros anuais”

PAULO NOVAIS/LUSA

A Associação Académica de Coimbra acusou hoje o Governo de assaltar as contas dos estudantes e das famílias, com taxas e emolumentos, “uma propina camuflada” que atinge as “dezenas de milhões de euros anuais”. As taxas e emolumentos, que incidem sobre atos e documentos académicos que são pagos às universidade e politécnicos, são “um assalto às escuras aos estudantes e às suas famílias, sob a forma de propina camuflada, na ordem de dezenas de milhões de euros anuais”, criticou hoje a Associação Académica de Coimbra (AAC), num comunicado enviado à agência Lusa.

Segundo a AAC, “só na Universidade de Coimbra, a receita ascendeu a quase 1,7 milhões de euros em 2016”. A associação de estudantes recorda que há dois anos a Assembleia da República “autorizou o Governo a aprovar um regime geral de taxas e emolumentos”, que “subsistem à margem de qualquer balizamento legal, sendo a sua fixação entregue à vontade discricionária dos conselhos de gestão das instituições de ensino superior”.

O Governo ficaria também responsável por definir “um elenco fechado dos atos académicos pelos quais deve ser possível às instituições associar o pagamento de taxas e emolumentos, bem como um regime especial destinado a estudantes bolseiros”. No entanto, passados dois anos, não há “quaisquer resultados”, nota a Associação Académica de Coimbra, reprovando a “atitude desrespeitosa do Governo perante os estudantes e a própria Assembleia da República”. “Cabe ao Governo tomar rapidamente uma decisão justa”, defende a AAC.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

O fim das propinas foi “fake news”

Margarida Mano
664

O ministro que em janeiro diz que não vale a pena reduzir as propinas é o ministro que propõe em novembro essa mesma medida e a vê aprovada, em dezembro, no Orçamento do Estado de 2019.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)