Frente Comum

Frente Comum espera milhares de trabalhadores na manifestação de sexta-feira

A manifestação da Frente Comum tem como propósito "lutar por aumentos de salários, pelas carreiras profissionais, pelas 35 horas de trabalho e pelo fim da precariedade".

MÁRIO CRUZ/LUSA

A Frente Comum espera juntar em Lisboa milhares de trabalhadores na manifestação de sexta-feira para “lutar por aumentos de salários, pelas carreiras profissionais, pelas 35 horas de trabalho e pelo fim da precariedade”.

Em conferência de imprensa, em Lisboa, a coordenadora da Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública, Ana Avoila, criticou o Governo por “não responder” à sua proposta reivindicativa para 2018 de aumento salarial, de reestruturação das carreiras e aplicação das 35 horas de trabalho a todos os funcionários.

“Nós não vamos descansar enquanto o Governo não se sentar à mesa e não cumprir estas reivindicações que são necessárias à vida dos trabalhadores e dos serviços”, disse Ana Avoila.

Os milhares de trabalhadores que participarão na manifestação virão “lutar por aumentos de salários, pelas carreiras profissionais, pelas 35 horas de trabalho e pelo fim da precariedade”, afirmou a dirigente sindical.

O Governo “não tem ouvido ou não quer ouvir e tem de começar a fazê-lo porque não somos figuras decorativas”, afirmou, reivindicando uma “resposta efetiva aos problemas”.

A Frente Comum defende aumentos salariais de 4% ainda para este ano e Ana Avoila disse recentemente não descartar a hipótese de avançarem para uma greve.

“A lei da negociação é muito clara, pois diz que anualmente se têm de discutir os salários”, lembrou a dirigente sindical, realçando que o Governo “não quer discutir as carreiras” tal como a Frente Comum as colocou.

Os trabalhadores, segundo Ana Avoila, querem “dignificar aquilo que fazem e também seu salário”. Para a dirigente da Frente Comum questões como o combate à precariedade “têm de avançar rapidamente”.

Ana Avoila referiu recentemente que “a pressão que se fez nestes últimos tempos” sobre o Governo tem dado frutos, referindo-se às progressões dos assistentes operacionais, que, tal como a estrutura sindical reivindicava, vão subir para o quarto escalão e não para o terceiro.

Mas foi clara ao dizer que a Frente Comum “não quer ficar por aqui”, pelo que marcou uma manifestação nacional para sexta-feira para que os trabalhadores manifestem o seu descontentamento e exijam aumentos de salários e carreiras dignas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)