Japão

Mais de mil pessoas pedem demissão de primeiro-ministro do Japão

Manifestantes concentraram-se junto à residência oficial de Shinzo Abe, pedindo a sua demissão e a do ministro das Finanças, depois do escândalo de alegado favorecimento de uma instituição privada.

KIM KYUNG-HOON / POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de mil pessoas concentraram-se na segunda-feira à noite junto à residência oficial do primeiro-ministro do Japão, pedindo a sua demissão e a do titular da pasta das Finanças, na sequência do escândalo de alegado favorecimento de uma instituição privada. As ruas junto ao denominado Kantei encheram-se de palavras de ordem para pedir a renúncia dos governantes, após o ministro das Finanças, Taro Aso, ter admitido que o seu ministério manipulou documentos ligados a um caso de presumível ajuda financeira e administrativa a uma instituição privada.

Perante os pedidos de demissão, iniciados com a revelação do caso, o ministro das Finanças, que é também vice-primeiro-ministro, reiterou esta terça-feira a sua intenção de continuar a liderar a investigação, mas não apresentar a sua demissão, em declarações à comunicação social citadas pela agência EFE. Os registos manipulados versam sobre um acordo alcançado em 2016 para vender, a cerca de um décimo do seu valor de mercado, um terreno propriedade estatal em Psaka (oeste) à Moritomo Gakuem, uma controversa instituição ligada à área da educação que promovia ideias ultranacionalistas e que tinha ligações ao primeiro ministro nipónico, Shinzo Abe, e à sua mulher, Akie Abe.

Um total de 14 documentos foram reescritos pelo ministério após o caso ser revelado, no ano passado, e posteriormente apresentados no parlamento como prova para afastar o executivo da polémica, indicam os resultados de uma investigação revelados na segunda-feira. O nome de Akie Abe e o seu apoio explícito ao projeto da Moritomo Gakuem foram eliminados dos documentos originais, assim como as referências a Shinzo Abe e ao ministro das Finanças e o apoio de ambos a uma organização ultraconservadora em que o chefe da instituição também ocupava uma posição de topo.

A mulher do primeiro-ministro japonês deveria ser nomeada diretora honorária da escola, cujo projeto de construção foi abandonado quando o escândalo surgiu, em fevereiro de 2017. O escândalo já motivou a renúncia, na sexta-feira, do diretor da Agência Tributária, Nobuhisa Sagawa, que no momento de tratar os documentos era responsável pela gestão da venda de terras do Estado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)