Rádio Observador

OCDE

OCDE revê em alta crescimento da economia global para 3,9% em 2018 e 2019

A OCDE diz que este é o resultado "mais forte" desde 2011 e destaca as "surpresas de crescimento" previstas para este ano na zona euro, que deverá crescer 2,3%, na China, na Turquia e no Brasil.

WU HONG/EPA

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) está mais otimista e estima que a economia global cresça 3,9% em 2018 e 2019, o ritmo mais elevado desde 2011, devido a mais investimento, comércio internacional e emprego.

Na atualização intercalar das previsões económicas (‘Economic Outlook’) divulgada esta terça-feira, a OCDE diz que este é o resultado “mais forte” desde 2011 e destaca as “surpresas de crescimento” previstas para este ano na zona euro (que deverá crescer 2,3%), na China (6,7%), na Turquia (5,3%) e no Brasil (2,2%).

“A economia mundial vai continuar a fortalecer-se nos próximos dois anos, com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) global a alcançar quase 4% em 2018 e 2019”, afirma a OCDE, que diz que um investimento mais forte, uma recuperação no comércio global e mais emprego estão a tornar a “recuperação cada vez mais ampla”.

A OCDE defende ainda que salvaguardar as regras que sustentam o sistema de comércio internacional “vai ajudar a suportar o crescimento económico e de empregos”, afirmando que os governos devem evitar o agravamento e depender de “soluções globais” na indústria de aço.

Na quinta-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que iria impor, dentro de dias, taxas de 10% e 25% sobre a importação de alumínio e de aço, respetivamente.

A OCDE mostra-se assim mais otimista do que estava em novembro, esperando agora que a economia global cresça mais 0,2 pontos percentuais em 2018 e 0,3 pontos percentuais em 2019, face às projeções de 3,7% e de 3,6% que apresentava, na altura, para cada um dos anos.

Projeta-se que o crescimento nos Estados Unidos, na Alemanha, em França, no México e na África do Sul seja significativamente mais robusto que o antecipado anteriormente, com outras revisões em alta, mais baixas, na maioria dos outros países do G20″, lê-se no documento da OCDE.

Para a instituição liderada por Ángel Gurría, as novas reduções de impostos e aumento de despesa nos Estados Unidos e estímulos fiscais adicionais na Alemanha são “fatores chave” que justificam a revisão em alta no crescimento em 2018 e 2019.

Ainda assim, a organização sediada em Paris alerta para os níveis ainda elevados de dívida em vários países, que podem criar vulnerabilidades, e observa que as perspetivas de crescimento ainda permanecem “muito fracas” em relação ao estimado antes da crise financeira, o que reflete tendências demográficas “menos favoráveis” e uma década de investimento e produtividade abaixo da média.

A OCDE defende também que é necessária uma “normalização gradual” da política monetária, para “minimizar o risco de disrupções nos mercados financeiros”, e aconselha os governos a evitarem políticas orçamentais “demasiado pró-cíclicas” e a focarem-se em medidas que “fortaleçam as perspetivas de sustentabilidades e de um crescimento de médio prazo mais inclusivo”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)