Rádio Observador

Desaparecimentos

ADN de Maëlys de Araújo encontrado no sofá da casa onde vivia o alegado homicida

Os investigadores estão a determinar se os vestígios da ADN revelam que a menina luso-descendente esteve na casa dos pais de Nordahl Lelandais, que confessou ter matado Maëlys em fevereiro.

PHILIPPE DESMAZES/AFP/Getty Images

Vestígios de ADN de Maëlys de Araújo foram encontrados na casa dos pais do Nordahl Lelandais, o autor confesso da morte da menina de nove anos, onde o próprio vivia. As revelações foram feitas pelos procuradores franceses responsáveis pelo caso, citadas pelo Le Parisien.

A casa dos pais do ex-militar Lelandais já tinha sido alvo de buscas mas os vestígios de ADN só foram encontrados agora. Estas descobertas vêm orientar a investigação noutro sentido. De acordo com o mesmo jornal, os investigadores estão a determinar se os vestígios da ADN revelam que a menina luso-descendente esteve na casa dos pais ou se foram levados para a casa por terceiros.

No dia em que confessou ter matado Maëlys, a 14 de fevereiro, foram encontrados vestígios de sangue no porta-bagagem do carro de Lelandais, um Audi A3. O ex-militar disse que matou a menina “por acidente” perto da sua casa em Domessin (a 10 minutos de carro do local do casamento), escondeu o corpo, voltou para a festa do casamento e mais tarde, voltou para o buscar e escondê-lo noutro local. Depois de confessar que enterrou o corpo num bosque, Lelandais levou as autoridades ao local do crime para identificar o sítio em que deixou o cadáver.

A menina luso-descendente desapareceu na madrugada de 26 para 27 de agosto do ano passado, numa quinta na região de Pont-de-Beauvoisin, em França, a cerca de 85 quilómetros de Lyon. A criança estava numa festa de casamento e foi vista, pela última vez, na sala das crianças. A mãe da menina, prima da noiva, deu por falta da filha quando passavam poucos minutos das 3 horas da manhã.

Logo nessa noite foram detidas duas pessoas. Uma delas foi Lelandais, que era convidado do noivo e descrito como amigo do pai de Maëlys, embora os pais da menina, Joachim e Jennifer de Araújo, tenham negado conhecê-lo. Lelandais garantiu no interrogatório inicial à polícia que não saiu do local da festa mas outros convidados disseram que o tinham visto ausentar-se no momento em que a menina terá desaparecido.

Lelandais reconheceu, mais tarde, que mentiu. As autoridades resolveram prolongar o seu prazo de detenção por mais um dia, mas acabaram por libertá-lo no dia seguinte. Lelandais, que já era conhecido da polícia local por “delitos comuns”, entre os quais consumo de drogas, ficou em prisão preventiva — dois dias depois de ter sido libertado — depois de a polícia ter descoberto vestígios de ADN no painel de controlo do carro e o próprio suspeito ter admitido que a menina esteve no interior da viatura.

Em janeiro deste ano, os pais da criança disseram ter conseguido identificar a filha nas imagens de videovigilância que mostram o carro de Lelandais, um Audi A3, a abandonar o local do casamento. Maelys seguia no lugar do “pendura” e saiu por volta das 2h45. No momento em que Lelandais regressou, vinha sozinho.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Feminismo

Liberdade p/assar /premium

Alberto Gonçalves
105

O descaramento do MDM e associações similares é infinito. Uma coisa, já de si irritante, é a sensibilidade contemporânea a matérias tão insignificantes que não ofenderiam o antigo arcebispo de Braga.

Natalidade

Como captar os votos de um jovem casal?

Ricardo Morgado

O nascimento de uma criança altera, complemente, a vida de um jovem casal. Para que tal aconteça mais vezes, é essencial que o Estado saiba responder às suas necessidades e a algumas urgências.

Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)