500kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Ana Gomes isolada entre os Socialistas e Democratas depois de convite a ativista pró-Palestina

Este artigo tem mais de 4 anos

Grupo dos Socialistas e Democratas Europeus condena "qualquer forma de anti-semitismo” e considera que palestra organizada pela eurodeputada “não reflete a posição política” daquela família europeia.

i

João Relvas/LUSA

João Relvas/LUSA

O convite de Ana Gomes a um ativista pró-palestino, natural do Qatar, para ser um dos principais oradores de um debate sobre Israel no Parlamento Europeu deixou a eurodeputada do PS isolada na sua  própria família política. Ao Observador, fonte oficial dos Socialistas e Democratas Europeus (S&D) diz que a presença de Omar Barghouti em Bruxelas “não reflete a posição política do grupo”, que condena “qualquer forma de anti-semitismo na Europa e em qualquer parte do mundo”.

O debate da polémica aconteceu a 28 de fevereiro, mas os primeiros sinais de desconforto em Bruxelas começaram dias antes, como o Observador contou na semana passada: o instituto pró-judaico (o Instituto Transatlântico AJC) pedia consequências pelo facto de Ana Gomes ter denunciado a existência de “um lobby muito perverso que tenta intimidar as pessoas” e que terá tentado impedir a realização desse debate sobre o tema “Os colonatos israelitas na Palestina e na União Europeia”.

Grupo judaico pede “ação disciplinar” contra Ana Gomes no Parlamento Europeu

Depois de esse grupo ter criticado, na última quinta-feira, o encontro promovido pela eurodeputada portuguesa, e de ter exigido ao presidente do Parlamento Europeu e ao S&D uma “ação disciplinar” relativamente a Ana Gomes por palavras proferidas naquele encontro, o Observador questionou o S&D sobre a leitura que faziam do episódio.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na resposta, o S&D distancia-se do encontro promovido por Ana Gomes e contraria, inclusive, a versão apresentada pela eurodeputada portuguesa para explicar alguns dos acontecimentos daquele dia.

Fonte oficial da segunda maior família política em Bruxelas diz ao Observador que “condena qualquer forma de anti-semitismo na Europa e no mundo”. E sublinha que, apesar de “valorizar a dedicação” de Ana Gomes relativamente ao processo de paz no Médio Oriente (em particular, rumo à coabitação pacífica de dois Estados independentes, Israel e Palestina).

A iniciativa de convidar e dar voz ao fundador e líder do movimento BDS [sigla inglesa para ‘Boicote, Privação e Sanções’] não reflete a posição política do grupo” relativamente à solução para aquele conflito, dizem os Socialistas e Democratas Europeus.

Na curta resposta ao Observador — em que o grupo não esclarece sequer se pondera avançar com medidas disciplinares em sobre a eurodeputada do PS —, o S&D alinha com a posição já assumida pela União Europeia, através da sua vice-presidente, Federica Mogherini:

A União Europeia rejeita as tentativas da campanha do BDS para isolar Israel e opõe-se a qualquer boicote” àquele país.

Falta de experiência ou ato deliberado?

Mas a demarcação do S&D não terá acontecido só agora. Como o Observador já tinha referido, nos primeiros minutos do debate de 28 de fevereiro, é possível ver um banner do grupo político, mesmo atrás dos lugares onde estavam sentados Ana Gomes e o seu convidado de destaque, Omar Barghouti. E, a determinado momento, há uma funcionária do S&D que trata de retirar esse banner.

Ao Observador, Ana Gomes desvalorizou o episódio, garantindo que tudo se tinha ficado a dever à falta de experiência de um elemento da sua família política. Aliás, de acordo com a eurodeputada, na última quarta-feira (um dia antes de o Instituto Transatlântico pedir consequências), uma vice-presidente do Socialistas e Democratas tinha até pedido desculpas à eurodeputada pela confusão.

Versão diferente daquela que, oficialmente, o S&D agora apresenta ao Observador. Depois de explicar que não se revê nas posições assumidas por Barghouti e de condenar qualquer tipo de anti-semitismo, o grupo diz que “foi por essa razão que foi retirado o roll-up da sala de reuniões durante a conferência”.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.