A greve dos professores prossegue esta quarta-feira no Alentejo e no Algarve, depois de ter registado uma adesão de 60% a 70% no primeiro dia, segundo dados avançados pelos sindicatos. É a resposta dos professores à falta de consenso sobre a contagem de todo o tempo de serviço, no processo de descongelamento das carreiras da Função Pública.

No primeiro dia de greve, os sindicatos admitiram estar a ponderar a realização de “uma grande manifestação” e de voltar a agendar uma paralisação no terceiro período de aulas. A tutela admite descongelar dois anos e dez meses de tempo de serviço aos docentes, mas estes não desistem de ver contabilizados os nove anos e quatro meses, embora admitam um processo faseado.

A greve decorre esta semana, por regiões, tendo começado na terça-feira nos distritos de Lisboa, Santarém e Setúbal e na Região Autónoma da Madeira. Na quinta-feira, chega à região Centro e termina sexta-feira no Norte e nos Açores.