Eurostat

Taxa de emprego aumenta 1,6% na zona euro e UE em 2017

A taxa de emprego aumentou na zona euro e na União Europeia. Em Portugal, no quarto trimestre de 2017, o emprego subiu 3,2% em termos homólogos e 0,7% face ao período entre julho e setembro.

OLIVIER HOSLET/EPA

A taxa de emprego aumentou 1,6% quer na zona euro, quer na União Europeia (UE), no acumulado de 2017, acima da subida registada no ano anterior, de, respetivamente, 1,3% e 1,2%, segundo o Eurostat.

Os dados relativos ao quarto trimestre de 2017 mostram que o número de pessoas empregadas cresceu, na zona euro, 1,6%, e na UE 1,5%, face ao período homólogo, com Portugal a crescer acima da média (3,2%). Já na comparação com o terceiro trimestre, entre outubro e novembro o emprego aumentou 0,3% na zona euro e 0,2% no conjunto dos 28 Estados-membros.

De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, Malta (6,1%), Estónia (5,7%) e Croácia (3,8%) registaram as maiores subidas homólogas no emprego, com apenas uma quebra a assinalar, na Lituânia (-0,5%). Face ao trimestre anterior, Malta (1,8%), Estónia (1,6%) e Finlândia (1,2%) tiveram as maiores subidas na taxa de emprego e a Itália, a Polónia (-0,3% cada), a Grécia e a Lituânia (-0,1% cada) viram o indicador recuar.

Em Portugal, no quarto trimestre de 2017, o emprego subiu 3,2% em termos homólogos e 0,7% face ao período entre julho e setembro.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)