Sporting

Ainda há “Migueis Garcias” (a crónica do Viktoria Plzen-Sporting)

328

O "improvável" Battaglia, que não conseguia marcar de cabeça há mais de dois anos, resolveu um encontro (e a eliminatória) que Marek Bakos complicou. Sporting perde (2-1) mas segue em frente.

MICHAL CIZEK/AFP/Getty Images

Último minuto da partida. Último minuto, Sporting… Vai ser levantado o pontapé de canto lá pela esquerda. Pontapé de canto vai ser levantado, coração da área… Golo, golo, golo, golo, golo, golo, golo, golo, golo, golo, gooooolo! Gooooolo! É golo, é golo, é golo, é golo, é golo. Eu te amo. Eu te amo, Sporting! Eu te amo, Sporting! Eu te amo, Sporting! Goloooooooooo! Que bonito é. Que bonito é. As bandeiras… são poucas, são poucas, são poucas. Mas estão desfraldadas ao vento.”

Jorge Perestrelo, Alkmaar, 5 de maio de 2005

Jorge deixou-nos cedo demais, naquela noite chuvosa. E o golo, improvável e épico, de Miguel Garcia já foi há tanto tempo. O minuto longo era aquele que poucas vezes se avista no placard dos estádios, 121:07, não tardaria e Claus Bo Larsen, o árbitro, apitaria o fim, mas havia ainda um derradeiro canto à esquerda para o Sporting. Bateu-o o chileno Tello, de pé esquerdo, para o primeiro poste. Entre a angústia da quase certa derrota (e mais do que a derrota, o ver-se afastado da final da Taça UEFA a disputar na própria casa) e a réstia de esperança no apuramento que há num corpo encharcado e já esvaziado de força, o Sporting acreditou e até o guarda-redes, Ricardo, havia deixado a sua baliza e subido até à grande área do AZ Alkmaar. Não foi Ricardo o herói de Alkmaar. Foi outro, foi Miguel Garcia, que se antecipou a Ricardo (ele também “a” queria) na procura da bola, se antecipou à defesa holandesa, e cabeceou. O lateral, que nem era de subir à grande área, que nem era de subir e fazer golos, fez-se imortal no futebol.

Ainda há “Migueis Garcias” a vestir de verde-e-branco, heróis improváveis e nos instantes derradeiros. Esse herói, em Plzen e não em Alkmaar, foi Rodrigo Battaglia. O minuto era o 107. Lá chegaremos.

Viktoria Plzen-Sporting, 2-1 (2-3)

Doosan Arena, em Plzen, na República Checa

Liga Europa 2017/18, Oitavos-de-Final (segunda-mão)

Árbitro: Tobias Stieler (Alemanha)

Viktoria Plzen: Hruska; Milan Havel, Reznik (Hejda, 106’), Hajek e Kovarik; Horava, Hrosobvsky, Zeman (Petrzela, 100’), Kolar e Kopic; Marek Bakos (Krmencik, 83’)

Suplentes não utilizados: Kozacik, Cemak, Zivulic e Ivanschitz

Treinador: Pavel Vrba

Sporting: Rui Patrício; Battaglia, André Pinto, Mathieu e Fábio Coentrão; Petrovic (Piccini, 67’), Bruno Fernandes, Gelson Martins e Acuña (Fredy Montero, 76’); Bryan Ruiz (Rúben Ribeiro, 100’) e Bas Dost

Suplentes não utilizados: Salin, Ristovski, Palhinha e Rafael Barbosa

Treinador: Jorge Jesus

Golos: Marek Bakos (6’; 65’) e Battaglia (107’)

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Bryan Ruiz (78’), Hajek (95’), Rezník (101’), Petrzela (108’) e Bas Dost (121’)

O Sporting trazia de Alvalade uma vantagem (2-0) que parecia impossível de perder. Mas perdeu-a. Logo ao minuto três, Jan Kovarík cruza à esquerda para o segundo poste, surgem dois checos isolados (em fora-de-jogo? É difícil afirmar…) para cabecear e é o capitão Marek Bakos quem acaba por o fazer. O mesmo Bakos que, na segunda parte, ao minuto 65, empatou tudo: Radim Rezník desmarca Milan Havel na grande área, à direita, Havel cruza e Bakos surge ao primeiro poste a rematar para o segundo golo.

O Sporting jogou pouco mas o suficiente para não precisar de tempo extra. Mas foi mesmo preciso o tempo extra.

Ao minuto 39, Bruno Fernandes cruzou longo para a grande área, Bas Dost amorteceu de cabeça e deixou Bryan Ruiz isolado. O costa-riquenho enche o pé esquerdo. Tanto enche, que o remate sai ao lado e esvaziou-se a chance, então, do empate. Contado ninguém acredita. Logo após o recomeço, ao minuto 49, Bruno Fernandes rematou forte à entrada da grande área, o guarda-redes Ales Hruska defendeu para a frente e à frente estava, sozinho, Acuña. O primeiro remate do argentino vai ao poste. Na recarga, e com a baliza à mercê e Hruska caído, Acuña volta a rematar, agora por cima da barra. Não, contado ninguém acredita. Ao minuto 89, o holandês Dost isola-se e é travado por Radim Rezník. Priiiii… Penálti! Na conversão, Dost rematou (denunciado o suficiente para Ales Hruska adivinhar) para o centro da baliza e o guarda-redes chego defendeu. Na recarga, Bruno Fernandes atira por cima da barra. Acredite. E acredite que ao minuto, Bruno Fernandes cruza, Bryan Ruiz surge sozinho frente a Ales Hruska e cabeceia à figura do guarda-redes do Plzen.

Rodrigo Battaglia assistia a tantos falhanços sem intervir em nenhum.

Primeiro foi lateral direito, depois trinco. E fazia tudo bem atrás: oito desarmes, seis duelos aéreos ganhos em seis possíveis, cinco alívios quando a hora era de aliviar. Ao tal minuto 107 resolveu subir até à grande área. Como Miguel Garcia. O canto seria à direita. Como foi o de Tello. Bruno Fernandes bateu-o, Rodrigo Battaglia (o improvável Battaglia, que não conseguia marcar de cabeça há mais de dois anos) salta mais alto na pequena área e desvia para o golo que apurou o Sporting para os “quartos”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)