Uma derrocada esta manhã na praia da Ursa, em Sintra, fez um morto e um feridoO alerta foi dado por volta das 9h40. Contactada pelo Observador, fonte do INEM confirmou que a vítima mortal é um homem de 25 anos e que o ferido ligeiro é uma mulher de 18 anos, que foi entretanto transportada para o Hospital de S. José. Nenhuma das vítimas é de nacionalidade portuguesa. O homem tem nacionalidade alemã e a mulher nacionalidade brasileira. Os dois faziam parte de um grupo de cinco pessoas que estava a acampar no areal junto ao sopé da arriba, confirmou a Autoridade Marítima.

O casal foi retirado do local por um helicóptero da Força Aérea Portuguesa para a zona do estacionamento público. Os restantes membros do grupo também já foram retirados do areal e estão a receber apoio psicológico Unidade Móvel de Intervenção Psicológica de Emergência do INEM. Durante a tarde vão ser transportados para a Proteção Civil de Sintra.

Deslocaram-se ainda para local equipas dos bombeiros de Almoçageme, da Autoridade Marítima e do Serviço Municipal de Proteção Civil. A operação de resgate foi coordenada pela Capitania do Porto de Cascais.

Em declarações feitas no local à Sic Notícias, o porta-voz da Autoridade Marítima, o comandante Pereira da Fonseca afirmou que este é um local de risco: “É uma zona sinalizada e que tem risco. Provavelmente eram daquelas pessoas apaixonadas pela natureza, que terão acampado naquela zona”.

O porta-voz da Autoridade Marítima confirmou ainda que o que aconteceu não foi um aluimento da arriba mas sim uma queda de pedras: “é uma praia que tem algumas arribas mas o que se soltou foram pedras, que acabaram por atingir as pessoas que estavam no local”

Praia da Ursa está classificada como selvagem

Poucas horas depois da derrocada, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) emitiu um comunicado a informar que “a praia selvagem da Ursa nunca teve aptidão para o uso balnear, não estando, por conseguinte, classificada, nem como água balnear, nem como praia de banhos”

A APA esclareceu que, por ano, realiza “várias vistorias” a fim de preparar a época balnear. Na sequência das vistorias, a Agência informa as autarquias acerca “dos pontos com a sinalização em falta a colocar nas áreas de risco identificadas, bem como o tipo de placas a utilizar”

A APA adiantou ainda que esteve “no local para o registo da ocorrência, designadamente a avaliação das características morfológicas, geométricas e dimensionais da derrocada, bem como dos respetivos mecanismos desencadeantes de natureza externa e interna”.