Mundo

Finlândia, o país mais feliz do mundo – mas porquê?

698

Em 2017 foi a Noruega e em 2016 a Dinamarca. Este ano o país mais feliz do mundo não está muito longe destes dois: a Finlândia tem o primeiro lugar no pódio do ranking da felicidade.

Getty Images

A Finlândia chegou ao topo da tabela e é o país mais feliz do mundo, de acordo com o relatório World Happiness Report 2018, das Nações Unidas. Os dez primeiros lugares são ocupadas pelos mesmos países ao longo dos últimos anos, embora haja algumas trocas de posições: se em 2017 a Noruega ocupava a primeira posição, desceu agora para segundo lugar, seguida da Dinamarca — quem em 2016 tinha os habitantes mais felizes do mundo.

Mas afinal em que lugar está Portugal? Dos 156 países que o relatório tem em conta, Portugal encontra-se em 77.º lugar: em comparação com o ano anterior subimos 12 lugares no ranking da felicidade, mas ainda assim, encontramo-nos abaixo de países como Paquistão (75.º), Turquemenistão (68.º), Kosovo (66.º) e Roménia (52.º), no que à felicidade diz respeito.

Para avaliar o índice de felicidade foram estudados vários fatores como a esperança média de vida, a liberdade de escolha, a ausência de corrupção, o apoio social e o Produto Interno Bruto das 156 nações.

No top ten estão, para além dos três já mencionados, a Islândia, a Suíça, a Holanda, o Canadá, a Nova Zelândia, a Suécia e a Austrália. Há contudo a outra face da moeda e os países menos felizes não são esquecidos. No fundo da tabela, os resultados mantêm-se semelhantes aos anos anteriores: países como Burundi, República Centro Africana, Sudão do Sul, Tanzânia, Iémen, Ruanda, e Síria estão entre aqueles cujos habitantes são menos felizes.

Mas o relatório refere uma vitória: por exemplo, o Togo, país na África Ocidental, que ocupava a última posição em 2015, foi o país que mais sucesso teve, ganhando na categoria de mudanças, ao subir 17 lugares na tabela. Apesar de o dinheiro ser um fator importante a ter em conta, não é tudo. Os Estados Unidos estão a tornar-se cada vez mais infelizes à medida que a riqueza aumenta no país — desceram da 14.ª posição para 18.ª.

E os imigrantes? Onde são mais felizes?

O ranking de felicidade tem, pela primeira vez, em conta a felicidade dos imigrantes que nasceram em 117 dos países considerados. A Finlândia continua a liderar neste campo, mas o relatório aponta que “os países com imigrantes mais felizes não são os países mais ricos, mas, ao invés disso, são os países com um conjunto mais equilibrado em termos de apoio social e institucional”. Os fatores sociais são muito importantes na felicidade da população, quer sejam imigrantes ou não.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Religião

O Dia Mundial da Religião

Donizete Rodrigues
180

O Dia Mundial da Religião é um momento ecuménico para promover a convivência, o interconhecimento e o diálogo inter-religioso, buscando um futuro livre de preconceito, discriminação e intolerância.

Mundo

Os novos bárbaros - uma cultura de destruição 

Paulo Rodrigues Ferreira

Que desejam estes novos bárbaros? Espalhar rancor, ressentimento, divulgar mentiras. Que todos sofram o mesmo que eles sofrem. Combater a globalização ou o cosmopolitismo, a que chamam "globalismo".

Índia

Populismos e finais felizes /premium

Diana Soller

Numa época em que os populismos têm uma presença cada vez mais forte nas democracias ocidentais, vale a pena revisitar o passado e outras geografias. Queremos o mesmo para nós?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)