Mundo

Encontradas 565 pessoas escravas de uma seita religiosa no Brasil

231

Uma operação em São Paulo descobriu 565 pessoas escravas que serviam uma seita religiosa. 13 líderes da seita estão em prisão preventiva, outros estão em fuga.

Mario Tama/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

Uma operação do Ministério do Trabalho do Brasil detetou 565 pessoas que eram submetidas a condições semelhantes à da escravatura em fazendas propriedade de uma seita religiosa, informaram na quinta-feira as autoridades. A ação de fiscalização foi realizada na quinta-feira em simultâneo em 15 diferentes municípios dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Bahia.

A agência EFE adianta que, além daqueles, a operação permitiu detetar outras 438 pessoas que trabalhavam sem contrato formal e 32 menores que estavam a fazer tarefas proibidas. Os trabalhadores prestavam serviço para uma seita religiosa conhecida como “Comunidade Evangélica Jesus, a Verdade que Marca”.

O portal de notícias da Globo, G1, adianta que nesta operação foram cumpridos 22 mandados de prisão preventiva, 17 interdições de estabelecimentos comerciais e 42 mandados de busca e apreensão, culminando na prisão preventiva de 13 dirigentes da seita, sendo que outros estão em fuga.

O portal adianta, citando um comunicado do Ministério do Trabalho brasileiro, que os trabalhadores teriam sido “aliciados” por dirigentes da seita religiosa, em São Paulo, e convencidos a doar os bens para as associações controladas pela organização, tendo de mudar-se para uma comunidade, onde todos os bens móveis e imóveis seriam compartilhados.

Após entrar na seita religiosa as pessoas eram levadas para zonas rurais e urbanas naqueles três estados brasileiros, para trabalhar na agricultura, estabelecimentos comerciais, como oficinas mecânicas, postos de gasolina ou pastelarias, todos supervisionados pelos líderes da seita.

O G1 acrescenta que a investigação começou em 2013, ano em que a seita já utilizava mão-de-obra escrava, tendo sido identificadas então 348 vítimas.

“Em todas ações de combate ao trabalho escravo, quando chega a Polícia Federal, o Ministério Público Federal e do Trabalho, as vítimas aderem e querem ser retiradas dessa situação. O caso da seita é incomum, porque as pessoas eram doutrinadas por aspetos religiosos e receberam-nos como se fôssemos o demónio”, afirmou o auditor-fiscal do Trabalho Marcelo Campos, que coordenou a operação de quinta-feira.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundo

O poder mobilizador da rejeição /premium

Diana Soller

Um discurso negativo, de rejeição de alguma coisa, independentemente de ser factual ou inventado, tem muito mais impacto junto das populações que um discurso positivo, construtivo ou inclusivo.

Mundo

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Parece chegado o momento premente dos “Políticos” de cada País determinarem o que deve mudar para salvação do Mundo e preservação da nossa descendência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)