Rádio Observador

Rio Tejo

Ministro do Ambiente nega colocação de resíduos do Tejo em área protegida

Segundo João Pedro Matos Fernandes, "não vai ser depositado nem um metro cúbico de resíduos ou de sedimentos" retirados do Tejo "em nenhuma área protegida".

NUNO VEIGA/LUSA

O ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, refutou esta sexta-feira as críticas da Quercus sobre a ação de drenagem no rio Tejo, garantindo que “nem um metro cúbico de resíduos” vai ser colocado em qualquer área protegida.

“Quem diz que vão ser depositados resíduos numa área protegida não está a falar verdade”, disse o ministro, considerando que a denúncia da associação ambientalista Quercus resulta de “um total desconhecimento”.

Segundo João Pedro Matos Fernandes, que falava aos jornalistas na Barragem de Pego do Altar, no concelho de Alcácer do Sal (Setúbal), “não vai ser depositado nem um metro cúbico de resíduos ou de sedimentos” retirados do Tejo “em nenhuma área protegida”.

O governante explicou que a ação visa a retirada “do fundo do Tejo” de “cerca de 30 mil metros cúbicos” de resíduos, sendo que, “para já”, vão ser drenados “17 mil metros cúbicos”. Esses sedimentos, continuou o governante, vão ser “pousados temporariamente” num “terreno que correspondia a um areeiro”, situado na margem do rio.

Este terreno, esclareceu, “não tem árvores, nem nenhum outro coberto arbóreo, nem vegetal”, e os resíduos a retirar do rio vão ser acondicionados em “big bags, em cima de geotêxteis”, os quais, “isolam o próprio solo” e “a matéria orgânica, para depois de seca ser tirada dali”.

A Quercus denunciou, na quinta-feira, que o Ministério do Ambiente pretende colocar os resíduos da ação de drenagem no rio Tejo em terrenos dentro da área protegida do monumento natural das Portas de Ródão, considerando “ilegal” tal ação.

Matos Fernandes destacou também neste dia aos jornalistas que, das análises efetuadas, esses resíduos não contêm “rigorosamente nenhuns metais perigosos”, sublinhando que “são sedimentos de grau um e de grau dois, que, naturalmente, têm que sair” do rio.

Trata-se, segundo o ministro, de “matéria orgânica concentradíssima” e “altamente consumidora de oxigénio” que tem de ser retirada do rio: “Se há coisa que nos preocupa é ter oxigénio na água para poder haver vida”.

E a Quercus, disse, “escusa de exigir as análises ao Ministério do Ambiente”. “Basta pedi-las, mas já foram enviadas”, acrescentou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Segurança Social

A dívida implícita de Portugal

José Marques

Nos últimos 40 anos, período no qual se deu a maioria da acumulação desta dívida implícita, houve uma acumulação média, silenciosa, de dívida equivalente a mais de 10% do PIB por ano.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)