Síria

Observatório afirma que aviação russa causou maioria das mortes de civis esta sexta-feira em Ghouta

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos adiantou que 64 das 76 mortes de civis ocorridas sexta-feira em Ghouta Oriental resultaram de bombardeamentos da aviação russa.

SERGEI CHIRIKOV/EPA

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos, organização sedeada no Reino Unido, adiantou que 64 das 76 mortes de civis ocorridas esta sexta-feira na região síria de Ghouta Oriental resultaram de bombardeamentos da aviação russa, que apoia Damasco.

A região de Ghouta Oriental, nos arredores de Damasco, é atualmente o principal bastião da oposição ao regime do Presidente sírio, Bashar Al-Assad, e nas últimas semanas tem sido visada por uma ofensiva do exército sírio e dos seus aliados, incluindo a aviação russa.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), que tem vindo a monitorizar a evolução da guerra na Síria (que começou em 2011), precisou que os bombardeamentos da aviação russa mataram 64 pessoas na localidade de Kafr Batna, entre elas 13 menores. As restantes vítimas mortais ocorreram em ataques contra Saqba e Harasta.

A fonte do Observatório, citado pela agência espanhola EFE, esclareceu que alguns dos cadáveres de Kafr Batna e Saqba, ambas sob controlo da facção islamita Legião da Misericórdia, estavam completamente calcinados, enquanto que outros apresentavam queimaduras.

O OSDH garante que os aviões russos utilizaram bombas de fragmentação (“cluster bombs”, uma bomba que se divide em muitas dezenas de projéteis explosivos), um tipo de munição proibida internacionalmente.

Estes projéteis estão carregados com uma substância denominada termite, composta por pó de alumínio e óxido de ferro, que causa queimaduras. A combustão desta substância dura até três minutos depois de ser lançada.

A bomba de fragmentação, com um peso de cerca de 500 quilos, tem um alcance entre 20 e 30 metros, e contém entre 50 e 110 projéteis, com termite no seu interior, indicou o Observatório.

Muitos dos projéteis que se separam do corpo principal da bomba não detonam imediatamente, representando um risco posterior para as populações civis.

Os bombardeamentos coincidem com a saída de milhares de civis de Ghouta Oriental. Muitas pessoas estão a abandonar a área sob controlo da Legião da Misericórdia através do corredor que as autoridades abriram em Hamuriya.

Na quinta-feira, cerca de 20 mil civis fugiram de Ghouta através deste corredor. O embaixador sírio na ONU, Bashar Ja’afari, estimou esta sexta-feira em cerca de 40 mil o número de civis que já fugiram da região, através dos corredores “abertos pelo exército sírio, em coordenação com os seus aliados russos”. Bashar Ja’afari falava numa reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Apesar deste número avançado pela diplomacia de Damasco, o exército sírio continua a exortar e a apelar aos civis para que fujam pelos corredores de segurança.

As mortes de sexta-feira elevam para pelo menos 1.346 as vítimas mortais na ofensiva contra Ghouta (desde 18 de fevereiro), entre eles 270 menores e 173 mulheres.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)