Síria

Pelo menos 18 mortos em bombardeamentos turcos na cidade síria de Afrine

Pelo menos 18 pessoas morreram na sequência de bombardeamentos russos, na cidade de Afrine. Recep Tayyip Erdogan assegura que vai continuar com a operação militar até dominar o enclave sírio.

SANA HANDOUT/EPA

Pelo menos 18 pessoas, entre as quais cinco crianças, morreram e mais de 45 ficaram feridas na sequência de bombardeamentos de aviões turcos contra a cidade síria de Afrine, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH). Segundo o OSDH, os ataques atingiram civis que deixaram as suas casas na cidade de Afrine, numa tentativa das forças turcas de impedir o movimento de pessoas que fugiam e forçá-las a ir para áreas sob seu controle. “Alguns corpos permanecem sob os escombros dos edifícios”, indica o Observatório.

Os bombardeamentos turcos ocorreram depois de mais de 2.500 pessoas terem deixado Afrine na quinta-feira à noite para entrar em veículos com destino às cidades de Al Zahraa, Nibil, bem como para suas áreas rurais, localizadas no norte da província de Aleppo e controladas pelas forças governamentais. A ONG destacou que esses ataques turcos ocorrem enquanto a cidade de Afrine está numa “situação humanitária catastrófica”. O exército turco e as suas milícias sírias aliadas continuam a estreitar o cerco em torno da cidade de Afrine e já estão a menos de um quilómetro da sua periferia.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, assegurou na quinta-feira que continuará com a operação militar, lançada no dia 20 de janeiro, até dominar todo o enclave de Afrine, embora o Parlamento Europeu tenha aprovado uma moção, não vinculativa, a pedir a Ancara para retirar suas tropas. A região de Afrine foi dominada pelas unidades de proteção do povo da milícia curda (YPG), que perdeu terreno desde o início da operação turca.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)