O papa Francisco escreveu uma carta aos seus compatriotas argentinos para lhes agradecer a saudação que recebeu a propósito dos cinco anos de pontificado, que se assinalaram na terça-feira. Na carta, que este sábado foi divulgada pela Conferência Episcopal da Argentina, o Papa, antigo arcebispo de Buenos Aires, pede desculpa pelos gestos que tenham ofendido alguém durante o seu tempo à frente da Igreja Católica.

“Aos que se possam sentir ofendidos por algum dos meus gestos, peço perdão. Posso assegurar-vos de que a minha intenção é fazer o bem, e que nesta idade os meus interesses já têm pouco a ver com a minha pessoa. Mas, apesar de Deus me ter confiado uma tarefa tão importante e me ajudar, não me libertou da fragilidade humana. Por isso, posso errar como todos”, escreveu Francisco.

O líder da Igreja Católica reconheceu que na carta que recebeu pelo quinto aniversário do pontificado “se uniram pessoas de diferentes procedências religiosas, políticas e ideológicas”, o que “confirma que não é impossível encontrar razões para o encontro e que a unidade a unidade é superior ao conflito”.

Francisco lamentou também o facto de já não poder residir no seu país de origem. “Ainda que agora não tenhamos a alegria de estar juntos na nossa Argentina, recordem que o Senhor chamou um de vós para levar uma mensagem de fé, de misericórdia e de fraternidade a muitos cantos da Terra”.

Jorge Mario Bergoglio, hoje com 81 anos, nasceu em Buenos Aires, e foi eleito Papa em 2013, sucedendo a Bento XVI, que resignou. Desde 2013, não fez nenhuma viagem apostólica à Argentina.