Conflito na Síria

Curdos prometem bater-se pela “libertação” de Afrine

Os curdos da Síria comprometeram-se a lutar até à "libertação" de Afrine, prometendo "atingir a cada oportunidade" as forças turcas e os aliados sírios que assumiram o controlo da cidade.

AREF TAMMAWI/EPA

Os curdos da Síria comprometeram-se a lutar até à “libertação” de Afrine, prometendo “atingir a cada oportunidade” as forças turcas e os seus aliados sírios que assumiram este domingo o controlo da cidade curda no noroeste sírio.

“A resistência em Afrine vai continuar até à libertação”, declarou num comunicado enviado à imprensa a administração semi-autónoma curda da região.

A Turquia lançou a 20 de janeiro uma operação militar em território sírio visando expulsar a milícia curda das Unidades de Proteção do Povo (YPG) do enclave de Afrine, cuja cidade, com o mesmo nome, foi tomada hoje pelas forças de Ancara.

A região de Afrine constituía uma das três regiões administrativas que formavam a “região federal” proclamada em 2016 nos territórios da comunidade, controlados por uma administração semi-autónoma.

“Em todos os setores de Afrine, as nossas forças tornar-se-ão um pesadelo permanente” para as forças turcas e os rebeldes sírios que as apoiam, refere ainda o comunicado das autoridades locais curdas.

“A nossa guerra contra a ocupação turca (…) entrou numa nova etapa: passamos de uma guerra de confronto direto para uma tática de ataques relâmpago”, adianta.

Mais de 1.500 combatentes curdos morreram em dois meses de ofensiva e esta já permitiu às forças pró-Ancara controlarem 87% do território do enclave, disse o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, adiantando que mais de 200.000 civis fugiram da cidade de Afrine entre 14 e 17 de março.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arménia

Arménios não querem “putinismo” no seu país

José Milhazes

A crise política na Arménia está longe do fim, mas já se pode tirar uma conclusão: os cidadãos desse país da Transcaucásia disseram não à rotatividade política copiada da Rússia pelos seus dirigentes.

Arménia

Arménios não querem “putinismo” no seu país

José Milhazes

A crise política na Arménia está longe do fim, mas já se pode tirar uma conclusão: os cidadãos desse país da Transcaucásia disseram não à rotatividade política copiada da Rússia pelos seus dirigentes.

25 de Abril

A liberdade

Paulo Tunhas

A nossa tradição, a nossa casinha, é pequenina e esperanças sanguíneas não são recomendáveis: temos de andar sempre um bocado curvados. Se fosse preciso prova disso, os discursos de ontem mostraram-no

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)