Na primeira entrevista de Adrien Silva desde que está em Inglaterra, o jogador português falou de quase tudo. Do Sporting, de Bruno de Carvalho, dos 14 segundos que o impediram de jogar no Leicester na primeira parte da época, da seleção e até de uma quase ida para o Chelsea de Mourinho. A honestidade do internacional português já motivou até uma reação do presidente do Sporting. Estes são os 5 pontos-chave da entrevista de Adrien ao The Guardian.

“Não estou frustrado com o Sporting. Estou frustrado com o presidente”

No último dia da janela de transferências de verão de 2017, a ida de Adrien Silva para o Leicester ficou pendurada por 14 segundos: a FIFA recebeu a informação da transferência do então jogador do Sporting 14 segundos depois do fecho oficial do período de compra e venda de passes de futebolistas. Adrien e o clube inglês recorreram mas a FIFA foi intransigente. O médio, campeão europeu por Portugal em 2016, só voltou a pisar os relvados no dia 1 de janeiro.

Nunca vou entender a decisão da FIFA. Não há proteção para os jogadores neste tipo de situações. Os jogadores são o mais importante, porque é que a FIFA não pensa nisso e abre uma exceção? Ainda se fossem horas… mas estamos a falar de segundos. Foi uma péssima decisão”, explicou o antigo capitão do Sporting, que esteve ligado ao clube durante 15 anos.

Adrien ficou impedido de treinar com o Leicester e durante seis meses manteve a forma física sozinho. Na altura, Bruno de Carvalho descartou qualquer responsabilidade por parte do Sporting e esclareceu que tinha de ser o clube inglês “a encontrar uma solução”. Questionado sobre se ficou frustrado com o clube português, o jogador de 29 anos é peremptório: “Com o clube, não. Com o presidente. São coisas diferentes”. Seguindo a mesma linha de pensamento que utilizou ao falar da FIFA, Adrien considera que Bruno de Carvalho “tentou proteger o seu clube” mas “no futebol é mais importante proteger o ser humano ou o jogador”.

Entretanto, o presidente do Sporting já reagiu aos comentários do antigo médio leonino. No Facebook, Bruno de Carvalho disse que espera que a entrevista “esteja mal traduzida”, porque, de acordo com o dirigente, “ouvir que Adrien está desiludido é para rir ou chorar”.

“Espero que a tradução esteja toda errada, pois se estiver correta digo já que o Sporting CP falhou muito no trabalho de o fazer um Homem. E espero não ter de falar mais sobre este assunto, e que Adrien tenha o gesto honesto e de Homem de vir emendar toda esta mensagem que saiu e que em nada corresponde à verdade”, atirou Bruno de Carvalho.

A escolha do número 14 para “brincar com a situação”

No Sporting, bem como na seleção, Adrien carregava nas costas o número 23. Mas quando o Leicester lhe perguntou que número queria envergar na Premier League, o jogador decidiu “brincar com a situação”. “Falei com o meu agente”, explicou, “perguntei-lhe: ‘porque não o 14?'”, numa brincadeira com os 14 segundos que o afastaram dos relvados durante seis meses.

E foi com o número 14 que se estreou no Leicester e na Premier League, no dia 1 de janeiro, quando jogou os últimos cinco minutos da vitória por 3-0 frente ao Huddersfield.

Seleção? “Pensava nisso todos os dias”

Adrien Silva foi campeão europeu por Portugal em 2016 e fazia parte do lote de jogadores que tinham o lugar completamente reservado na convocatória para o Mundial 2018. Mas com a paragem de seis meses, o médio deixou a lista de escolhidos de Fernando Santos e falhou os últimos jogos da fase de qualificação. Com o Mundial a desaparecer do horizonte, o jogador garante que “foi o pior de tudo isto”. “Pensava nisso todos os dias, foi a pior altura para isto acontecer”, explicou Adrien ao Guardian.

Apesar de pouco regular e com apenas 9 jogos cumpridos na presente temporada, o jogador do Leicester foi convocado para o duplo compromisso da Seleção Nacional, com o Egito e a Holanda. Para Adrien, “a melhor maneira de terminar a época seria ir ao Campeonato do Mundo”.

O apoio da mulher e dos amigos Matty James e Andy King

Casado com Margarida Neuparth desde 2016, Adrien vê na mulher e nos três filhos – um deles recém-nascido – a principal base de apoio. Além de expressar uma especial gratidão à família, o antigo jogador do Sporting revela que encontrou em dois colegas de equipas no Leicester a força de que precisava para não desistir. “Matty James e Andy King, eles ajudaram-me de todas as maneiras. Puxaram por mim quando estava mais em baixo. Foram dois grandes amigos durante estes meses”, contou o médio.

A quase ida para o Chelsea de Mourinho

Na entrevista ao jornal inglês, Adrien Silva conta a história da sua quase ida para o Chelsea – então treinado por José Mourinho. Em 2005, quando Adrien tinha apenas 15 anos e jogava nas camadas jovens do Sporting, o treinador português queria levar três promissores talentos para Londres: um deles era, claro, o médio franco-descendente.

“Foi um momento muito estranho e eu era muito novo. Ver este clube abordar-me, especialmente quando o Mourinho vem falar comigo… naquele momento nem sabia o que ele queria. Mas quando o clube quer alguma coisa, fazem qualquer coisa. Ele veio ver-me a Portugal e nós fomos lá, a Chelsea, ver os campos de treinos. Quando voltámos gerou-se uma grande situação com o Sporting”, recordou o antigo capitão verde e branco.

O Sporting fez queixa do Chelsea à FIFA e impediu os três jogadores – Adrien, Fábio Ferreira e Ricardo Fernandes – de treinar durante dois meses. Ferreira e Fernandes foram para Londres e acabaram dispensados, quatro anos depois, sem nunca completarem um jogo. Adrien falou com os pais, pediu conselhos e decidiu ficar em Alcochete. “Graças a Deus”, garante.