Espanha

Dois casos, o mesmo inspetor: José viu o corpo de Gabriel num carro e o de Diana Quer num poço

233

Dois casos chocaram Espanha, unidos num ponto. José Miguel Hidalgo conseguiu que Ana Julia confessasse que matou o enteado. E convenceu El Chicle a revelar onde escondeu o corpo de Diana Quer.

O corpo de Diana Quer (esquerda) foi encontrado no dia 31 de dezembro de 2017. O de Gabriel (direita) no dia 27 de fevereiro

“Eu sou um cabrón e, por isso, vou levar-te ao sítio onde está o corpo de Diana”. O cadáver estava amarrado a blocos de cimento, dentro de um poço. Foi encontrado na última noite do ano passado. Era o corpo de Diana Quer e foi o inspetor da UCO — a unidade especial da polícia judiciária da Guardia Civil — José Miguel Hidalgo que conseguiu que El Chile o revelasse. Foi o mesmo inspetor que conseguiu, dois meses mais tarde, com que Ana Julia Quezada confessasse ter matado o seu enteado de oito anos, Gabriel Cruz. “Chorei, claro que chorei, como todos. Foi o pior final”, disse José Miguel Hidalgo ao ABC. O menino estava coberto de lama e enrolado numa manta no porta-bagagem do carro que a namorada do pai conduzia.

Ele é o que se espera de um polícia. Muito caloroso e próximo das vítimas e as suas família. É incansável e impecável para deter o mal”, descreveu um colega de trabalho ao mesmo jornal.

Estava prestes a comemorar o Natal do ano passado com a sua família quando teve de viajar de urgência para a Galiza. No dia 25 de dezembro, em Boiro, uma rapariga tinha sido atacada e acabou por ser salva por dois jovens. No momento do ataque, a jovem chegou a gravar, sem querer, um áudio no seu telemóvel onde se ouvem os gritos e uma voz masculina. “É ele”, disse o inspetor ao ouvir a gravação. Era El Chicle. O homem já tinha sido interrogado por José Miguel Hidalgo pelo que não demorou até que identificasse a voz. Esta foi a peça-chave para resolver o caso do desaparecimento de Diana Quer. “Tu vais ser capaz”, disse-lhe, na altura o inspetor que o acompanhou e que está agora reformado. El Chicle acabou por ser detido e levar as autoridades ao local onde tinha deixado o corpo.

[Veja aqui os oito momentos-chave da investigação ao desaparecimento da Diana Quer]

Dois meses passaram e José Miguel Hidalgo tinha em mãos outro caso que chocou Espanha. O desaparecimento de Gabriel Cruz, um menino de 8 anos, logo depois de ter saído casa da sua avó. O corpo foi encontrado dias depois no porta-bagagem do carro da namorada do próprio pai. A confissão de Ana Julia foi obtida por este “mestre da investigação criminal”, como lhe chamam os colegas com quem trabalha. A suspeita contou que encontrou Gabriel a brincar sozinho e que o menino entrou no carro de forma voluntária. Ana Julia reparou que o enteado estava a brincar com um machado e, segundo as suas declarações, tentou tirar-lhe o objeto, mas o menino começou a insultá-la. “Não és a minha mãe, não mandas em mim e não te quero voltar a ver nunca mais”, terá dito a criança. “Então, lutámos com o machado, tirei-o e, no final, com a raiva, acabei por asfixiá-lo, tapando-lhe o nariz e a boca”, explicou Ana Julia.

[Veja no vídeo a detenção de Ana Julia]

Dias depois, o juiz Rafael Soriano do tribunal de instrução de Almería decidiu que Ana Julia fica em prisão preventiva sem caução pelo assassinato. A namorada do pai de Gabriel vai ficar presa preventivamente até ao início do julgamento, cuja data ainda não foi definida.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Catalunha

A democracia espanhola no banco dos réus

Luís Ribeiro

Os catalães viveram a ilusão de que teriam o reconhecimento de uma individualidade pela qual anseiam há séculos. Enganaram-se no país. A democracia espanhola ainda teme a voz das suas autonomias.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)