Conflito na Síria

Erdogan promete expandir ofensiva militar a todo o norte da Síria e ao Iraque

A Turquia vai expandir a sua ofensiva a outras regiões curdas na Síria e também no Iraque. Ancara lançou uma ofensiva terrestre e aérea a 20 de janeiro e, no domingo, assumiu o controlo de Afrine.

TURKISH PRESIDENTAL PRESS OFFICE / HANDOUT/EPA

O Presidente turco Recep Erdogan assegurou esta segunda-feira que a Turquia vai expandir a sua ofensiva a outras regiões curdas da Síria e ainda na zona de Sinjar, no Iraque, um dia após a conquista do enclave curdo-sírio de Afrine.

“Concluímos a parte mais importante da operação Ramo de Oliveira, entrar na cidade de Afrine. Agora vamos prosseguir até à destruição total desse corredor constituído por Minbej, Aïn al-Arab (o nome árabe de Kobani), Tel Abyad, Ras al-Aïn e Qamichli”, disse Erdogan num discurso em Ancara, ao enumerar diversas localidades sírias ao longo da fronteira com a Turquia, com maioria de população curda e controladas pelas milícias locais Unidade de Proteção Popular (YPG).

Em paralelo, advertiu que as tropas turcas poderiam desencadear “em qualquer noite”, uma ofensiva nas montanhas de Sinjar, no noroeste do Iraque, sob controlo do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), a guerrilha curda ativa na Turquia.

O exército turco conduz desde 20 de janeiro uma ofensiva contra a milícia curdo-síria das YPG, que considera “terrorista”, tendo assumido domingo o controlo de Afrine, a cidade capital do enclave que os combatentes curdos dominavam no noroeste da Síria.

Segundo Ancara, as YPG mantêm ligações com o PKK, que combate o Estado turco há mais de 30 anos, mas têm sido também apoiadas pelos Estados Unidos na luta contra os ‘jihadistas’ na Síria.

Depois de Washington ter anunciado a criação de uma “força fronteiriça” no norte da Síria, que integraria combatentes curdos, Ancara lançou a 20 de janeiro uma ofensiva terrestre e aérea, com a participação de forças rebeldes sírias locais que também pretendem controlar estas regiões.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)