Moçambique

Moçambique levanta alerta para cheias e inundações no norte e centro do país

O alerta foi lançado em dezembro e esta segunda-feira foi levantado em sete províncias do centro e norte do país. O último balanço das intempéries da época chuvosa aponta para a morte de 61 pessoas.

KEVIN SUTHERLAND/EPA

Moçambique levantou o alerta de cheias e inundações que vigorava desde dezembro em sete províncias do centro e norte do país, anunciou esta segunda-feira o Governo no portal da Internet. O Conselho Técnico de Gestão de Calamidades (CTGC) considera ser mínimo o risco de novas emergências devido às chuvas, referiu o executivo. “Com base nas previsões, o CTGC decidiu levantar o alerta laranja nas regiões centro e norte do país, que vigora desde dezembro”, lê-se na deliberação do órgão.

O último balanço das intempéries da época chuvosa, iniciada em outubro, aponta para a morte de 61 pessoas, num universo de cerca de 150 mil afetadas. O CTGC junta o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) de Moçambique, parceiros nacionais e estrangeiros. Ainda segundo o mesmo órgão, mantêm-se as restrições no abastecimento de água à região de Maputo, dado que a bacia hidrográfica do rio Umbelúzi registou “acréscimos insignificantes” de caudal durante a época chuvosa, que “praticamente chegou ao fim”.

“Face à situação de contínua seca na bacia do Umbelúzi e na barragem dos Pequenos Libombos, de forma particular, as restrições que se registam no abastecimento de água às cidades de Maputo, Matola e à vila de Boane não têm fim à vista” e “poderão agravar-se ainda mais”, lê-se no portal do Governo. Para quem tem acesso à rede pública, a água corre nas torneiras apenas durante algumas horas de alguns dias da semana, havendo habitações que recorrem a depósitos que enchem durante esse período.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)