Rádio Observador

Christine Lagarde

Christine Lagarde: “As guerras comerciais não são jogos que se possam ganhar”

Em entrevista ao El País, a diretora-geral do FMI falou sobre a guerra comercial que pode despoletar depois das medidas de Donald Trump para taxar as importações de aço e alumínio.

Getty Images

Christine Lagarde está na Argentina, onde decorre um encontro do G20, e numa entrevista ao jornal El País mostrou preocupação pela possibilidade de as medidas anunciadas por Donald Trump de taxar as importações de aço (25%) e alumínio (10%) poderem resultar numa guerra comercial.

Espero que não estejamos a embarcar num caminho de guerra [comercial]. Isso ia ser muito prejudicial para os resultados positivos que temos visto ultimamente no comércio, como o crescimento, a inovação e a melhoria da qualidade de vida de muitas pessoas”

Recorde-se que a decisão do presidente norte-americano gerou reações quase imediatas, incluindo da Europa, que pela voz do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, ameaçou “colocar tarifas sobre a Harley-Davidson, Levi’s e bourbon”.
A diretora-geral do FMI considera que “as guerras comercias são jogos que não se podem ganhar”, pois “se há menos crescimento, menos inovação e maior custo de vida, as primeiros a perder são os pobres, os menos privilegiados”. Christine Lagarde disse que a solução para este problema parte dos próprios países envolvidos e não de qualquer organismo, seja ele o FMI, o G20 ou a Organização Mundial do Comércio (OMC).

Têm que ser os países [a resolver a situação], com consenso. Todos eles são membros do FMI, da OMC, da ONU. Nós apenas podemos ser o fórum onde eles arranjam uma solução. Depende da vontade política”

Esta ideia de que as guerras comerciais são prejudiciais para todos e não “coroam” nenhum vencedor é contrária àquela que Donald Trump sugeriu no Twitter no dia 2 de março, um dia depois de ter anunciado as polémicas medidas: “Quando um país (Estados Unidos) está a perder milhares de milhões de dólares no comércio com praticamente todos os países com quem faz negócios, as guerras comerciais são boas e fáceis de ganhar”

“Espero que todas as mulheres que sucedam a um homem insistam em ganhar o mesmo”

A diretora-geral do FMI abordou também o tema da desigualdade salarial entre homens e mulheres, dizendo que ganha o mesmo que os anteriores diretores do FMI e deixando um conselho a todas as mulheres:

Espero que todas as mulheres que sucedam [num cargo] a um homem insistam em ganhar o mesmo salário ou mais. A diferença salarial é de 16%, e em alguns países chega a 25%. Uma parte pode ser explicada porque fazem outros trabalhos, ou pela maternidade mas uma grande parte não tem explicação. E isso tem que acabar”

A primeira mulher a ocupar a liderança do FMI disse ainda que está contente no cargo e que não pensa em ser presidente de França ou governadora do Banco Central Europeu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)