Rádio Observador

Espionagem

Cientista russo confirma existência de projeto de armas químicas “Novitchock”

Cientista russo diz que foi um dos criadores do programa com o nome do agente neurotóxico que terá envenenado Skripal: "Novitchok não é uma substância, é todo um sistema de armas químicas"

FACUNDO ARRIZABALAGA/EPA

Um cientista russo citado esta terça-feira pela agência estatal Ria-Novosti disse que trabalhou no projeto de armas químicas “Novitchok”, implicado no envenenamento de Sergei Skripal, contrariando a posição de Moscovo de que este programa não existia. “Novitchok não é uma substância, é todo um sistema de armas químicas”, disse Leonid Rink, em entrevista à Ria-Novosti, que o apresenta como um dos criadores deste programa.

O agente neurotóxico Novitchok foi apontado por Londres como sendo a fonte do envenenamento do ex-agente duplo russo Sergei Skripal e da sua filha, no passado dia 4 de março, em Salisbury, no sul de Inglaterra. “Eles ainda estão vivos, o que significa que ou não era o sistema Novitchok ou estava preparado de forma errada”, disse Rink à Ria-Novosti.

A existência deste programa e a sua fórmula química foram reveladas pelo químico russo agora refugiado nos Estados Unidos Vil Mirzayanov, segundo o qual estes agentes de máxima eficácia foram desenvolvidos na década de 1980 por cientistas soviéticos. Após as acusações de Londres, Moscovo negou a existência de qualquer programa de desenvolvimento de armas químicas chamado “Novitchok”, tanto no tempo da URSS como na atual Rússia.

“Um grande grupo de especialistas estava a desenvolver o Novitchok em Moscovo e Chikhany: técnicos, toxicólogos, bioquímicos (…) Conseguimos um resultado muito bom”, afirmou Leonid Rink à Ria-Novosti. Segundo disse, durante o período soviético este sistema foi designado por “Novitchok-5”. “Este nome nunca foi usado sem o número que lhe estava associado”, acrescentou. Rink disse não acreditar que a Rússia esteja por trás do envenenamento de Sergei Skripal, hospitalizado em estado crítico, porque sabe que o uso deste agente neurotóxico pode ser rastreado.

“Disparar num indivíduo, que não apresenta qualquer interesse, um míssil deste calibre e depois fazê-lo sem alcançar o objetivo é o auge da estupidez”, defendeu. De acordo com o químico, a tecnologia do projeto “Novitchok” é acessível “para qualquer estado desenvolvido” ou grande empresa farmacêutica. “Desenvolver essa arma não é problema”, considera.

Questionado esta terça-feira pela Agência France Presse sobre a entrevista publicada na agência estatal Ria-Novosti, o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo manteve a sua posição: “Não havia qualquer programa de pesquisa e desenvolvimento sob o nome Novitchok”. O caso levou já a primeira-ministra britânica a anunciar no dia 14 a “suspensão de contactos bilaterais” com Moscovo e a expulsão de 23 diplomatas russos, aos quais foi dado o prazo de uma semana para deixarem o Reino Unido.

Depois disso, a Rússia reagiu e anunciou no dia 17 a expulsão de 23 diplomatas britânicos e o fim das atividades do British Council no país. Numa entrevista à BBC, o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson, disse no domingo que Londres tem “evidências” de que a Rússia “desenvolveu e armazenou” o Novichok, o agente neurotóxico usado para envenenar Sergei Skripal e a sua filha, Yulia.

Os chefes de diplomacia da União Europeia (UE) condenaram na segunda-feira o envenenamento do ex-espião russo e da sua filha e admitiram considerar altamente provável o envolvimento da Rússia, como defende o governo britânico. Em comunicado, os ministros dos Negócios Estrangeiros dos 28, reunidos em Bruxelas, consideraram que “a vida de muitos cidadãos foi ameaçada por este ato impiedoso e ilegal” e assumiram levar “extremamente a sério” a avaliação do Governo do Reino Unido de que é “altamente provável” que a Rússia seja responsável pelo envenenamento dos Skripal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)