Juros da Dívida

Juros da dívida de Portugal a cair a 10 anos para mínimos desde abril de 2015

165

Esta terça-feira, os juros da dívida portuguesa estavam a subir a dois anos e a descer a cinco e dez anos, estando no prazo mais longo a cair para mínimos desde 20 de abril de 2015.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os juros da dívida portuguesa estavam esta terça-feira de manhã a subir a dois anos e a descer a cinco e dez anos, estando no prazo mais longo a cair para mínimos desde 20 de abril de 2015.

Cerca das 08h40 em Lisboa, os juros a dez anos estavam a descer para 1,721%, um mínimo desde 20 de abril de 2015, contra 1,729% na segunda-feira,

No prazo de cinco anos, os juros também estavam a recuar, para 0,392%, contra 0,396% na segunda-feira e o mínimo de sempre, de 0,342%, em 23 de janeiro.

Em sentido contrário, os juros a dois anos estavam a subir para -0,156%, contra -0,158% na segunda-feira e o mínimo de sempre, de -0,401%, em 5 de dezembro de 2017.

Os juros da Irlanda estavam a subir em todos os prazos, enquanto os de Espanha e Itália desciam. Os juros da Grécia desciam a cinco anos e subiam a dez anos.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08h40:

2 anos…5 anos…10 anos

Portugal

20/03……-0,156….0,392……1,721

19/03……-0,158….0,396……1,729

Grécia

20/03…….n.disp…3,429……4,176

19/03…….n.disp…3,432……4,173

Irlanda

20/03……-0,482….0,091……1,004

19/03……-0,491….0,082……0,996

Itália

20/03……-0,268….0,632……1,957

19/03……-0,262….0,633……1,960

Espanha

20/03……-0,295….0,271……1,322

19/03……-0,294….0,276……1,331

Fonte: Bloomberg Valores de ‘bid’ (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Impostos

Sejamos todos Robin dos Bosques

Rodrigo Saraiva

O protesto é uma arma da democracia, mas deve estar ligado directamente ao voto e não à violência. Sejamos todos Robin dos Bosques contra o saque fiscal. Há uma diferença entre o imposto e o esbulho. 

Greve

Há lodo no cais /premium

Luis Teixeira

As considerações jesuíticas que o CSM fez em causa própria, ao defender para os juízes a “dupla condição” de orgão de soberania e de “profissionais” não passam de um miserável exercício de hipocrisia.

Austeridade

Os custos das escolhas estão aí /premium

Helena Garrido

Todas as escolhas têm custos. Mesmo que à primeira vista não pareçam. Os custos das escolhas financeiras feitas pelo Governo estão agora visíveis na Saúde e nos Transportes, agravando as desigualdades

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)