Economia

Bruxelas propõe regras para tributar atividades digitais na UE

A Comissão Europeia propôs regras para garantir a tributação das atividades empresariais digitais na UE, incluindo uma que permitiria tributar os lucros gerados no seu território.

OLIVIER HOSLET/EPA

A Comissão Europeia propôs esta quarta-feira novas regras para garantir a tributação das atividades empresariais digitais na União Europeia, incluindo uma que permitiria aos Estados-membros tributar os lucros gerados no seu território, mesmo quando uma empresa aí não tem presença física.

As duas propostas legislativas, apresentadas esta quarta-feira em Bruxelas pelo comissário responsável pelos Assuntos Económicos e Financeiros, Fiscalidade e União Aduaneira, Pierre Moscovici, irão permitir uma tributação “mais equitativa” das atividades digitais na União Europeia.

A primeira iniciativa visa reformar as regras de tributação das sociedades de forma a que os lucros sejam registados e tributados nos casos em que “as empresas têm um nível de interação significativo com os utilizadores através de canais digitais”. Esta proposta iria permitir aos Estados-Membros tributar os lucros gerados no seu território, mesmo quando uma empresa aí não tem uma presença física.

Uma plataforma digital será considerada como tendo uma ‘presença digital’ tributável ou um estabelecimento permanente virtual num Estado-Membro se exceder o limiar de sete milhões de euros de receitas anuais num Estado-Membro, se tiver um número de utilizadores num país comunitário superior a 100.000 ou celebrar mais de 3.000 contratos comerciais relativos a serviços digitais com utilizadores empresariais, ao longo de um exercício fiscal.

O novo sistema, preconizado pela Comissão Europeia, tem como objetivo estabelecer um elo concreto entre o local onde são gerados os lucros digitais e o local onde os mesmos são tributados. A segunda proposta responde aos apelos de vários Estados-Membros no sentido de um imposto provisório que abranja as principais atividades digitais que escapam atualmente à tributação na UE.

Este imposto provisório garante que as atividades que atualmente não são eficazmente tributadas iriam começar a gerar receitas imediatas para os Estados-Membros, e contribuiria também para evitar medidas unilaterais para tributar as atividades digitais em determinados países dos 28.

Este sistema aplicar-se-á apenas como uma medida transitória até à implementação da reforma global e integra mecanismos para atenuar a possibilidade de dupla tributação.

O imposto será aplicável às receitas resultantes das atividades em que os utilizadores desempenham um papel importante na criação de valor, tais como as resultantes da venda de espaços publicitários em linha, de atividades digitais intermédias, que podem facilitar a venda de bens e serviços entre utilizadores, ou da venda de dados gerados a partir das informações prestadas pelos utilizadores.

As receitas fiscais seriam cobradas pelos Estados-Membros onde se encontram localizados os utilizadores, e só se aplicariam a empresas com um total de receitas anuais equivalente a 750 milhões de euros a nível mundial e a 50 milhões de euros a nível da UE.

Segundo as estimativas da Comissão Europeia, poderiam ser geradas receitas na ordem dos 5.000 milhões de euros por ano para os Estados-Membros se o imposto for aplicado a uma taxa de 3%.

“As nossas regras anteriores à internet não permitem que os Estados-Membros tributem as empresas digitais que operam na Europa, quando estas aí têm pouca ou nenhuma presença física. Tal representa um buraco negro cada vez maior para os Estados-Membros, devido à erosão da matéria coletável. Por esse motivo, estamos a apresentar uma nova norma jurídica, bem como um imposto provisório para as atividades digitais”, frisou Moscovici.

As propostas apresentadas esta quarta-feira coincidem com aquilo que o primeiro-ministro português tem defendido. Em 23 de fevereiro, António Costa defendeu em Bruxelas a criação de novos impostos europeus que aumentem as receitas da União Europeia, nomeadamente a tributação sobre plataformas digitais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Impostos

Sejamos todos Robin dos Bosques

Rodrigo Saraiva

O protesto é uma arma da democracia, mas deve estar ligado directamente ao voto e não à violência. Sejamos todos Robin dos Bosques contra o saque fiscal. Há uma diferença entre o imposto e o esbulho. 

Greve

Há lodo no cais /premium

Luis Teixeira

As considerações jesuíticas que o CSM fez em causa própria, ao defender para os juízes a “dupla condição” de orgão de soberania e de “profissionais” não passam de um miserável exercício de hipocrisia.

Austeridade

Os custos das escolhas estão aí /premium

Helena Garrido

Todas as escolhas têm custos. Mesmo que à primeira vista não pareçam. Os custos das escolhas financeiras feitas pelo Governo estão agora visíveis na Saúde e nos Transportes, agravando as desigualdades

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)