Assim de repente, os cartazes do filme “Kingsman” e das aclamadas séries de televisão “Os Tudors” e o “Sexo e a Cidade” nada têm em comum. Aliás, os temas, os atores e o enredo são totalmente distintos. Mas há um ponto fulcral que os une: nos três, as mulheres aparecem com a cabeça cortada. Aparecem apenas as pernas, os seios ou qualquer outra parte do corpo mais sexualmente apelativa.

Mas estes são apenas três exemplos. O blog The Headless Women of Hollywood – em português, as mulheres sem cabeça de Hollywood – está a denunciar as centenas de cartazes de filmes, séries ou até livros em que a figura da mulher é totalmente objetificada e sexualizada. Em todos eles, a cabeça é “cortada” e surge somente outra parte do corpo: num dos casos, a cara é até substituída por uma caveira.

Marcia Belski, a criadora do blog, explicou ao El Español que o seu objetivo é alertar para estas “práticas de fragmentar e converter em fetiches desumanizados as imagens das mulheres que vemos em publicidade a livros, séries ou filmes”. A norte-americana explica que “ao decapitar a mulher ou fragmentar o seu corpo em partes sexuais descontextualizadas, esta converte-se num objeto indiscutivelmente passivo na ótica masculina”.