Ciclismo

União Ciclista Internacional anuncia controlo por raio X contra uso de motores em bicicletas

O controlo através de raio X vai ser utilizado durante uma prova WorldTour para mostrar que o pelotão internacional não utiliza o chamado doping tecnológico para obter vantagens na estrada.

SALVATORE DI NOLFI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A União Ciclista Internacional (UCI) vai utilizar este fim de semana, durante “uma prova WorldTour”, um sistema de controlo por raio X que permite detetar a presença de motores nas bicicletas, foi anunciado esta quarta-feira.

O objetivo, explicou neste dia em Genebra o presidente da UCI, é “proteger os corredores contra os rumores”, numa tentativa de demonstrar que o pelotão internacional não utiliza o chamado doping tecnológico para obter vantagens na estrada.

“O papel da UCI é garantir a fiabilidade dos resultados, proteger os atletas, e protegê-los também contra os muitos rumores”, afirmou o francês David Lappartient.

Para mostrar que não são utilizados motores escondidos nas bicicletas, um dos objetivos do mandato do francês, que assumiu o cargo em setembro de 2017, esta “solução inegável” permite ler a bicicleta por dentro e evita “que tenha de ser desmontada”, referiu Jean-Christophe Péraud.

O antigo ciclista francês, segundo classificado na Volta a França de 2014, foi contratado em novembro pela UCI para liderar a comissão que desenvolveu o plano de ação contra a fraude tecnológica no desporto. A primeira amostra da utilização da técnica de raio X, que já tinha sido utilizada em 2010 no Tour, será “numa prova do calendário WorldTour deste fim de semana”, revelou Lappartient.

O objetivo é que chegue, depois, a metade do calendário de estrada de elite, em provas espalhadas por 18 países, com outras técnicas e dispositivos em desenvolvimento para que as federações nacionais tenham “soluções mais baratas”, sendo que o raio X custou “cerca de 500 mil euros” a desenvolver.

O doping tecnológico não tem casos registados no ciclismo de estrada. A primeira situação provada aconteceu com o belga Femke van den Driessche, que utilizou um motor escondido numa bicicleta nos Mundiais de ciclocrosse e foi suspenso seis anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)