Volkswagen

Volkswagen aumenta CEO 40% e paga-lhe 10 milhões

120

Após um período particularmente difícil para o Grupo Volkswagen, com dieselgate e monkeygate à mistura, os lucros dispararam em 2017. O que deu origem a um pagamento ao CEO de 10,14 milhões de euros.

Depois de uns anos de crise, a braços com as despesas inerentes aos problemas causados pelo dieselgate, 2017 trouxe o Grupo Volkswagen de regresso aos lucros palpáveis – isto para não utilizar uma terminologia mais expansiva, pois sempre foram 17 mil milhões de lucros operacionais, num ano em que ainda teve de suportar 3,2 mil milhões de despesas relativas ao dieselgate. Além de um volume de investimento ainda superior, para fazer frente à ofensiva de veículos eléctricos, que vão começar a estar disponíveis a partir de 2019.

Tal desempenho, conseguido sobre a batuta de Matthias Müller, o CEO que foi contratado para devolver à casa credibilidade e lucros, mereceu um prémio. E a administração do grupo não foi mesquinha, distribuindo 50,3 milhões de euros pelos administradores. A Müller coube um total de 10,14 milhões, entre salário e prémios por objectivos atingidos. Um incremento de 40% face ao ano anterior, que certamente terá deixado o CEO com um sorriso de orelha a orelha.

Quem não se deve ter rido tanto foram os CEO rivais, aqueles que regem a Mercedes e a BMW, também eles envolvidos no monkeygate. Consultando os relatórios financeiros dos três grupos, é fácil constatar que se Müller levou para casa ligeiramente mais de 10 milhões, Dieter Zetsche levou uma “abada” de 20% ganhando entre ordenado e prémios pouco mais de 8 milhões, enquanto o seu homólogo da BMW, Harald Krüger, se ficou pelos 7,3 milhões de euros.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)