Volkswagen

Volkswagen aumenta CEO 40% e paga-lhe 10 milhões

120

Após um período particularmente difícil para o Grupo Volkswagen, com dieselgate e monkeygate à mistura, os lucros dispararam em 2017. O que deu origem a um pagamento ao CEO de 10,14 milhões de euros.

Depois de uns anos de crise, a braços com as despesas inerentes aos problemas causados pelo dieselgate, 2017 trouxe o Grupo Volkswagen de regresso aos lucros palpáveis – isto para não utilizar uma terminologia mais expansiva, pois sempre foram 17 mil milhões de lucros operacionais, num ano em que ainda teve de suportar 3,2 mil milhões de despesas relativas ao dieselgate. Além de um volume de investimento ainda superior, para fazer frente à ofensiva de veículos eléctricos, que vão começar a estar disponíveis a partir de 2019.

Tal desempenho, conseguido sobre a batuta de Matthias Müller, o CEO que foi contratado para devolver à casa credibilidade e lucros, mereceu um prémio. E a administração do grupo não foi mesquinha, distribuindo 50,3 milhões de euros pelos administradores. A Müller coube um total de 10,14 milhões, entre salário e prémios por objectivos atingidos. Um incremento de 40% face ao ano anterior, que certamente terá deixado o CEO com um sorriso de orelha a orelha.

Quem não se deve ter rido tanto foram os CEO rivais, aqueles que regem a Mercedes e a BMW, também eles envolvidos no monkeygate. Consultando os relatórios financeiros dos três grupos, é fácil constatar que se Müller levou para casa ligeiramente mais de 10 milhões, Dieter Zetsche levou uma “abada” de 20% ganhando entre ordenado e prémios pouco mais de 8 milhões, enquanto o seu homólogo da BMW, Harald Krüger, se ficou pelos 7,3 milhões de euros.

Prémios Auto 2017 Observador - A escolha dos portugueses

Chegou ao fim a primeira edição dos Prémios Auto Observador. Obrigado pela massiva participação e pelos mais de 40.000 votos recolhidos. Entre 65 modelos a votação, envolvendo um total de 34 marcas, confira aqui os resultados finais.

Chegou ao fim a primeira edição dos Prémios Auto ObservadorVer resultados
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Arménia

Arménios não querem “putinismo” no seu país

José Milhazes

A crise política na Arménia está longe do fim, mas já se pode tirar uma conclusão: os cidadãos desse país da Transcaucásia disseram não à rotatividade política copiada da Rússia pelos seus dirigentes.

25 de Abril

A liberdade

Paulo Tunhas

A nossa tradição, a nossa casinha, é pequenina e esperanças sanguíneas não são recomendáveis: temos de andar sempre um bocado curvados. Se fosse preciso prova disso, os discursos de ontem mostraram-no

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)