John Dowd, o advogado que representava Donald Trump na investigação à interferência russa nas eleições presidenciais dos EUA fartou-se de ser ignorado pelo presidente e demitiu-se, de acordo com o The New York Times.

É que o presidente norte-americano ignorava constantemente os seus conselhos. Dowd tinha aconselhado Trump a cooperar com Robert S. Mueller, o procurador especial  nomeado para supervisionar a investigação. Tal não aconteceu: nos últimos dias, o presidente norte-americano começou a atacar publicamente Mueller.

Trump insistiu recentemente em encontrar-se com o procurador especial para ser entrevistado — algo que os advogados do presidente acharam ser uma má ideia e um risco para o presidente. Numa tentativa de o controlar, os advogados entregaram a Mueller documentos com a descrição detalhada de momentos chave que estão a ser investigados por ele. Assim, os advogados acabariam por limitar os assuntos que seriam abordados na entrevista a um conjunto de tópicos previamente seleccionados e evitar possíveis perguntas por parte do procurador.

Advogados de Trump tentam controlar conversa do Presidente com procurador que o investiga

Ainda não se sabe que advogado deverá substituir Dowd e representar Donald Trump na investigação à interferência russa nas eleições presidenciais dos EUA. Jay Sekulow, o outro advogado de Trump na investigação é, segundo o mesmo jornal, bastante elogiado pelo presidente e trouxe recentemente um dos seus amigos de longa data, Joseph E. diGenova, para se juntar à equipa de advogados.