A Comissão Nacional de Eleições (CNE) de Moçambique confirmou esta quinta-feira a vitória do candidato da Renamo, Paulo Vahanle, na segunda volta da eleição intercalar de Nampula, norte do país, ao anunciar os resultados oficiais.

O candidato da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal força de oposição, obteve 55.732 votos (58,6 %), contra 39.376 (41,4%) do candidato da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), Amisse Cololo, anunciou o presidente da CNE, Abdul Carimo, na cerimónia pública de proclamação dos resultados. Os números vão ao encontro dos dados preliminares anunciados na última semana pelos observadores eleitorais.

Falando durante a cerimónia deste dia, o mandatário da candidatura da Renamo, André Magibire, disse que a transparência no escrutínio foi resultado de um “trabalho árduo” de fiscalização feito pelo seu partido.

“Nesta segunda volta, estávamos [presentes] em peso para impedir todo o tipo de manobra. Os nossos delegados estavam no terreno e constataram muitas tentativas de fraude por parte de pessoas que possuíam cartões de eleitores falsos”, declarou o membro da Renamo.

Por sua vez, Shakir Makil, mandatário da Frelimo, disse que seu partido sai da eleição “fortificado e experiente”, considerando que a intenção é reverter os resultados nas eleições autárquicas agendadas para 10 de outubro.

Para o escrutínio, a CNE registou 296,590 eleitores. A eleição intercalar de Nampula foi convocada na sequência do assassínio do anterior edil, Mahamudo Amurane, do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro maior partido do país, num crime que continua sob investigação.

O município voltará a ter eleições em outubro, quando forem realizadas as quintas eleições autárquicas em todas as 53 autarquias moçambicanas.