A fadista Cristina Maria apresenta na sexta-feira, em Leira, o seu novo álbum, “Livremente”, no qual se estreia como compositora, em que gravou, além de fados, uma morna e temas do folclore português.

“Este novo álbum espelha as minhas referências na música, é um álbum mais maduro, estreio-me como compositora, voltei a tocar clarinete e, além de fados, entre inéditos e alguns já conhecidos, canto uma morna e temas de música tradicional portuguesa”, disse Cristina Maria, em entrevista à agência Lusa.

No anterior álbum, “Na Voz das Mãos”, editado há cerca de cinco anos, a fadista assinou a autoria de um tema, mas, neste novo CD, assina a letra e música de “Livremente”, que dá título ao disco, e também a letra do tema de abertura, “O Silêncio da Noite”, musicado por António Neto, que a acompanha à viola.

O CD, produzido por António Neto e Fernando Nunes, é constituído por doze temas, entre os quais “Que Fazes Aí Lisboa”, de Arlindo de Carvalho, do repertório de Amália Rodrigues, uma das referências de Cristina Maria, e ainda outras recriações, designadamente “Senhora da Nazaré”, de João Nobre, criação de Alberto Ribeiro, ou “Onde Deus Me Possa Ouvir”, do brasileiro Vander Lee.

De Cabo Verde, Cristina Maria recuperou a morna “Santa Bárbara” e, do repertório da música tradicional portuguesa, “Senhora do Almortão”, “Cantiga Bailada” e “Se Fores ao Alentejo”.

Entre os temas inéditos, além dos dois de sua autoria, a fadista, que também é escultora, gravou “Esse Lugar”, de Tiago Torres da Silva, “Meu Amor Onde Navegas”, de Mário Rainho, e “Utopia”, de Catarina Carvalho, todos musicados por António Neto.

Além de António Neto, na viola, a fadista é acompanhada por Ricardo Silva, na guitarra portuguesa, Jorge Carreiro, no contrabaixo, e ainda Abílio Caseiro, no cavaquinho, Ricardo Mateus, na viola de arco e as Adufeiras de Monsanto, além de intérpretes de cante alentejano.

Todos estes músicos partilham o palco do Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, na sexta-feira, com Cristina Maria, na estreia do álbum ao vivo.

“Devemos sentir que cada passo que damos, estamos a avançar e a crescer um pouco mais, e este ‘Livremente’ é um crescer de outra consciência. Foi um disco muito desejado por mim e até do público que me acompanha, com uma consciência muito maior daquilo que eu queria fazer”, afirmou a intérprete.

“Livremente” é o quarto álbum da fadista, em dez anos de carreira, o primeiro sem produção do músico Custódio Castelo, que projeta apresentar numa digressão internacional que começa no dia 06 de abril próximo, na Eslovénia.