Os trabalhadores dos museus, palácios, monumentos e sítios arqueológicos, vão fazer greve na Páscoa para “exigir respeito pelos direitos”, segundo os sindicatos do setor, que criticam a “falta de reflexo das receitas do turismo nas suas necessidades”.

Em conferência de imprensa, dirigentes sindicais representantes da cultura, da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS), criticaram também a falta de resposta do Ministério da Cultura às suas reivindicações.

Artur Sequeira, da FNSTFPS, recordou que o Governo “tem vindo a falar numa melhoria da economia do país, em grande parte devido ao aumento do turismo, com um aumento substancial das receitas de bilheteira e das lojas [dos museus, palácios e monumentos], mas não há qualquer reflexo desta melhoria nas reivindicações dos trabalhadores”.

A greve nacional de trabalhadores dos museus, palácios e monumentos e sítios arqueológicos foi convocada para os dias 30 e 31 de março, período da Páscoa.